Seguro Acidentes de Trabalho – como funciona e suas exclusões

O Seguro de Acidentes de Trabalho deve ser contratado para segurar os danos corporais dos colaboradores da empresa, empregados domésticos e todos aqueles que, de uma forma ou doutra prestem serviço a alguma entidade (singular ou colectiva) sendo remunerados por isso.

A única modalidade em que é possível contratar sem identificar a pessoa segura no contrato de seguro é o de empregados domésticos (inclui-se o de limpeza da casa e jardineiro).

Há duas formas de se subscrever o seguro:

Seguro a prémio fixo – identifica-se na apólice os nomes da(s) pessoa(s). As saídas e entradas de pessoas devem ser comunicadas à seguradora.  Em empresas, aplica-se até 6 funcionários. Acima disso, aplica-se o regime de prémio variável.

Seguro a prémio variável – consiste no envio de folhas de férias mensais para a seguradora e o prémio é pago com base numa massa salarial previsional. No final do ano, se o total das remunerações forem superiores ao previsto, há um prémio adicional calculado sobre a diferença. Caso seja inferior, haverá lugar a estorno sobre a diferença.

O que é Acidente de Trabalho?

– Todo aquele que ocorra no local e tempo de trabalho e ao serviço da entidade patronal

– Ocorrido no percurso casa-trabalho e vice-versa – fica coberto a partir do momento em que transpõe a porta de casa para as zonas comuns do prédio ou para a rua, caso seja uma moradia

– Ocorrido quando em formação profissional autorizada expressamente pela entidade patronal

– Ocorrido na procura de emprego quando haja crédito de horas concedido por lei aos trabalhadores com processo de cessação e contrato de trabalho em curso

– Ocorrido no local onde esteja a ser prestada assistência ao trabalhador devido a um anterior acidente de trabalho

– Ocorrido fora do local ou tempo de trabalho na execução de serviços determinados pela entidade patronal.

Quais as garantias?

Prestações em espécie – incluem-se as despesas médicas, cirúrgicas, farmacêuticas e hospitalares e todas as necessárias de forma a que o trabalhador fique completamente recuperado

Prestações em dinheiro:

  • indemnizações por incapacidade temporária para exercer a actividade profissional
  • pensões vitalícias devidas por incapacidade permanente originados pela redução na capacidade de trabalho ou ganho
  • subsídios para readaptação da habitação
  • prestações suplementares por assistência de terceira pessoa
  • Em caso de Morte, as pensões a familiares, bem como subsídio por Morte e despesas de funeral

Estas prestações são calculadas com base nas remunerações declaradas.

Quais as exclusões?

  1. Doenças profissionais
  2. Acidentes devidos a distúrbios laborais – assaltos, greves, tumultos, por exemplo.
  3. Acidentes causados por actos de terrorismo, sabotagem, rebelião, guerra civil, …
  4. Acidentes causados por guerras entre países e invasões
  5. Hérnias com saco formado
  6. Multas e coimas que recaiam sobre o tomador do seguro por falta de cumprimento de legislação em vigor
  7. A vítima seja o tomador do seguro quando esta é uma pessoa física
  8. Todos aqueles que não tenham contrato de trabalho com o tomador do seguro, salvo os administradores, directores, gerentes ou equiparados, quando remunerados.
  9. As incapacidades judicialmente reconhecidas como consequência  de  recusa ou inobservância das prescrições clínicas ou dolosamente provocadas

Algumas notas adicionais:

– Acidentes ocorridos fora de Portugal – se até 15 dias de permanência, não necessita de comunicar à seguradora; acima de 15 dias, tem de o fazer. Aconselha-se a garantir as despesas de tratamento e repatriamento fora de Portugal, caso viaje muito.

– Se a legislação do Estado onde ocorreu o acidente reconhecer o direito à reparação, poderá optar pelo regime mais favorável para si

– O seguro de acidentes de trabalho é regido por Decreto-Lei, o que significa que todas as seguradoras têm que cumprir as normas e procedimentos definidos na legislação.

– Se pretender transferir o seguro para outra seguradora, faça o pré-aviso de anulação com 30 dias de antecedência, especialmente no regime de prémio variável (Folha de Férias)

– A falta de pagamento de prémio ou fracção do prémio na data limite implica a anulação do contrato de seguro, situação esta comum a todos os seguros

– Declarações incorrectas que influenciem o risco que se está a cobrir ou a falta delas, implica a nulidade do contrato e a desresponsabilização da seguradora em sinistros. Exemplo: o seguro estar tarifado como empregados de escritório quando a actividade é Comércio por Grosso de Produtos X em que o risco é maior, pois implica armazenagem.

– Se o Tomador de Seguro não enviar todas as Folhas de Férias para a Seguradora, esta poderá emitir um prémio adicional correspondente a pelo menos 30% do prémio previsional anual.

Comente e acompanhe o nosso blog no Facebook.

Cordiais Saudações

Pedro Monteiro

382 Comentários.

  1. Boa noite. Sofri um acidente de trabalho a 29 de fevereiro e no hospital publico tive que pagar a minha parte das taxas moderadoras da consulta e exames feitos.só na madrugada voltei pra casa. No dia seguinte fui à secretaria da ent.patronal entregar o comprovativo da despesa e todos os demais documentos para fazer a participação de sinistro.encaminharam me para o hospital privado. Lá apos avaliacao deram me ITA desde o dia 1 de Março até dia 7 em que teria nova consulta para avaliação da situação. No dia 7 foi me dada alta com efeito a partir do dia seguinte, logo conto 7 dias de ITA. No dia 19 de Março recebo o cheque com o valor de 5 dias de ITA, com efeitos desde dia 2 de Marco. Quando questionei a entidade patronal acerca da ausencia do pagamento da taxa moderadora mandaram me aguardar e quanto à discordancia dos dias de ITA de 5 para 7 disseram que a ent.patronal pagava os restantes. No entanto hj ao observar o recibo de vencimento vejo que a ent. descontou os 7 dias e nao pagou a diferença como me disse. Sendo que na carta que a seguradora fez acompanhar o cheque dizia que o sinistro foi a 29/2 e o pagamento da ITA teve inicio a 2/3…5 dias…até 6/3?! Entao os dias que devido ao acidente de trabalho me dirigi ao hospital para consulta não são pagos? Algo nao bate certo. Preciso que me ilucide por favor

  2. Bom dia, a minha questão é a seguinte: há uns anos atrás tive um acidente de trabalho num part time ao fim de semana (com contrato de trabalho e tudo dentro das normas), na altura e como fiquei impossibilitada de trabalhar, pedi baixa na seg social por causa do outro emprego que tinha durante a semana. Baixa essa que me foi recusada uma vez que tinha sido acidente de trabalho. Agora pergunto, o seguro em questão só tinha obrigação de me pagar pelas horas do part time? e quem me cobre as do outro emprego?
    Obrigada pela atenção. Cumps

    • Susana

      A obrigação da seguradora só se restringe ao trabalho para o qual estava coberta. A seguradora não vai assumir a responsabilidade pela perda de ganho do outro part time.

  3. Boa Tarde, gostaria, se fosse possível, se me podiam tirar umas dúvidas.
    O meu marido teve 83 dias pelo seguro de trabalho e quando a seguradora lhe pagou, nas contas apresentadas por eles, calcularam o valor do dia de trabalho pela seguinte fórmula: [(ordenado base* 14)+(sub. alimente.*11)+(méd. outras remunerações*12)] /365 dias , será que me poderiam dizer se realmente é desta forma que se faz os cálculos?

  4. Muito boa tarde Pedro Monteiro,

    Estou com algumas dúvidas em relação às questões de baixa e seguro. Devido ao esforço na empresa que trabalho ganhei uma hernia. Já passaram sensivelmente 6 meses desde que a situação têm vindo a agravar significativamente, ao ponto de ter dificuldade a andar. Já tive de baixa 2 vezes durante estes 6 meses e a 2a baixa não me vai ser remunerada.

    Para acrescentar ao facto de eles não assumirem que a culpa foi devido ao excesso de esforço que tive e a profissão não obriga, pois sou comerciante de loja, o meu contrato acaba no fim deste mês.

    O seguro cobre situações destas? Há alguma forma legal de contornar a situação? Agradeço uma resposta só por não conseguir encontrar nenhuma solução ao meu problema.

  5. Bom Dia!
    Na empresa onde trabalho está uma colaboradora que teve um acidente de trabalho em 2010. Esteve muito tempo de baixa devido à recuperação de uma cirurgia.Com o passar dos anos foi lhe atribuída uma incapacidade.
    Em 2013 o processo foi reaberto por queixas da colaboradora. Já não somos clientes dessa mesma seguradora pelo que foi complicado já na altura reabrir o processo. A colaboradora já recebeu uma indemnização pela incapacidade. Caso tenha outra recaída e da nossa responsabilidade também? Temos de enviá-la novamente à seguradora?
    Obrigada.

    • Catarina

      Esse processo é entre a funcionária e a antiga seguradora. A vossa empresa transferiu a responsabilidade no tratamento dos sinistrados para a seguradora quando contrataram o seguro de acidentes de trabalho.

  6. Margarida Guimarães

    Boa tarde, fui vitima de atropelamento na passadeira no trajecto do trabalho para casa e portanto foi considerado acidente de trabalho. Estive com ITA durante 10 dias. A minha seguradora (do trabalho) já procedeu ao pagamento de 70% do valor. Tenho direito a reclamar os restantes 30% hà seguradora do responsavel pelo atropelamento?

  7. No caso de uma baixa por acidente de trabalho, quem tem a responsabilidade de informar a empresa do prolongamento da baixa? a seguradora ou o funcionário?

  8. Bom dia sofri uma queda durante a minha pausa dentro das instalações da minha empresa e parti os dois pulsos. A minha empresa alega que não tenho direito ao seguro de trabalho porque foi durante a pausa. A minha empresa tem razão?

  9. boa noite
    tive um acidente de trabalho em maio de 2015 estando de baixa ate hoje e o seguro paga a 100% um colega de trabalho informou me que saiu uma diretriz que a partir de janeiro de 2016 iria pagar a 70% a minha duvida e,continuarei a receber a 100% sendo que na altura a apolice cobria os mesmos ou serei incluido nos 70%?
    cumprimentos
    hugo

    • Hugo

      Se trabalhar numa empresa em que esteja abrangido por uma convenção coletiva de trabalho em que está acordado o pagamento por parte de uma seguradora do salario integral (100%) recebe 100%
      Caso contrario serão 70%

  10. Boa noite, a 30 de novembro tive um acidente de trabalho, trabalho numa cozinha, para uma empresa de restauração, estou a fazer fisioterapia. O valor a receber será a 100% sobre o meu ordenado? E os duodécimo dos subsídios? Obrigado

  11. Bom dia,

    São diversos os posts relativos à imputação do pagamento remanescente de 30% do vencimento por parte da entidade empregadora aquando de uma ITA, face aos 70% sobre vencimento ilíquido pagos pela seguradora.

    Face ao disposto na lei nº98/2009, nos artigos 71º e 79º, não será lícito imputar ao empregador o pagamento do remanescente?

    • Daniel

      Você não recebe 100% do vencimento bruto.
      Recebe o vencimento bruto menos a retenção de IRS e segurança social
      Só que tem convenções colectivas de trabalho (como os metalurgicos) é que tem cobertura de salário integral a 100%

  12. Caro Dr. Pedro Monteiro,

    Deixo o presente comentário para agradecer o seu trabalho, que a nível pessoal já serviu para me elucidar face alguns casos realativos a Acidentes de Trabalho, assim como o préstimo e prontidão com que responde a tanta gente pro-bono.

    MUITO OBRIGADO!

    Um optimo Natal para si e para os seus

  13. Boa tarde,
    Tenho a seguinte duvida,
    Estou com dores nas costas a mais de um mês mas esta tem vindo a agravar devido ao meu trabalho. Hoje pedi para ir ao seguro de trabalho e omque me foi dito é que tenho de ir para a baixa visto que nao foi acidente de trabalho. Ou seja terei que andar em tratamente por minha conta quando existe um seguro na minha empresa. A minha questão é mesmo essa, será que tenho ou não direito ao seguro? Só o medico do seguro poderá avaliar para ver se de facto a lesão deve-se ou não ao trabalho diario, estou certo?

  14. Boa tarde. Estou pelo seguro desde dia 19/11, até 17/12… Não recebi o subsídio de nata por parte do meu trabalho. Hospital. Sabe dizer me quem tem de me pagar o subsídio de natal o seguro ou o meu trabalho na misericordia? Foi um acidente de trabalho . Grata desde já.CF

  15. Boa tarde,

    À cerca de 3 anos tive um acidente de trabalho, do qual não me foi feito nenhum exame, apenas baixa de 10 dias e anti-inflamatórios, não tendo ido a nenhuma consulta de alta médica nem nada, apenas ordem para regressar ao trabalho.
    O problema foi no braço e desde aí o meu braço nunca mais foi o mesmo. À cerca de 2 meses o problema piorou, aumentaram as dores e solicitei que o processo fosse reaberto. Ao fazerem-me exames, verificou-se que na 1ª vez o problema não foi tratado convenientemente tendo agora uma lesão mais grave, sendo-me atribuída ITA e fisioterapia.

    Estou a ser seguido pela seguradora em Lisboa, sendo que moro a mais de 100km, e não consigo conduzir durante muito tempo.

    As minhas questões são:

    a) Tenho direito alguma indemnização monetária pela negligência na altura do acidente de trabalho? Ou só se ficar com alguma incapacidade permanente?

    b) Visto que não consigo conduzir, a seguradora não é obrigada a cobrir as despesas de deslocação para consultas/exames?

    Obrigado

  16. Boa tarde Dr. Pedro Monteiro,
    sofri um acidente de trabalho no passado dia 10 de Novembro onde me foi diagnosticado uma tendinite e uma artrite no pulso esquerdo fiquei de baixa pelo seguro a 100% dorante 15 dias depois fui ao medico onde me mandou trabalhar com uma incapacidade de 25% ao que ao fim de uma semana voltei ao medico em que verificou que a ainda não estava curado mas sim com algum agravamento em relação á semana anterior então mandou me parar de trabalhar e deu uma ITA 100% isto no dia 03-12-2015 no dia 04-12-2015 recebo uma chamada da companhia para me apresentar na clínica deles no porto onde o medico deles deu me alta dizendo que não tinha nada mas estou com bastantes dores no pulso principalmente quando faço movimentos de torção, o que posso fazer….

  17. Boa noite Dr. Pedro Monteiro
    Gostaria de ser esclarecido nas seguintes questões;

    1º Estou no seguro por acidente de trabalho a cerca de sete meses e encontro-me com ITA, a receber 70% do meu vencimento, a questão que coloco é a seguinte, a minha entidade patronal é ou não obrigada a pagar os 30% por lei, se sim, qual o artigo da lei 98/2009?

    2º O seguro tem obrigatoriedade de pagar o subsídio de natal, visto encontrarmos-nos no mês de novembro?

    3º A minha entidade patronal é ou não obrigada a pagar o subsídio de natal referente aos dias que trabalhei?
    Agradeço desde já a sua atenção, cumprimentos.

    • Boa tarde Manuel

      1º Estou no seguro por acidente de trabalho a cerca de sete meses e encontro-me com ITA, a receber 70% do meu vencimento, a questão que coloco é a seguinte, a minha entidade patronal é ou não obrigada a pagar os 30% por lei, se sim, qual o artigo da lei 98/2009?
      Está a receber 70% do seu vencimento Bruto ou ilíquido e não tem direito aos restantes 30%

      2º O seguro tem obrigatoriedade de pagar o subsídio de natal, visto encontrarmos-nos no mês de novembro?
      Sim, pelo período que esteve de baixa.

      3º A minha entidade patronal é ou não obrigada a pagar o subsídio de natal referente aos dias que trabalhei?
      Sim.

  18. Bom dia
    Gostava de saber se me podem orientar, eu sofri uma lesão no trabalho, ao que fui operado ao menisco no joelho, após continuar com dores, pedi recaída ao que o médico falou que estava tudo bem. Passado uns meses tornei a pedir recaída e tive que ir novamente ao bloco. Mesmo após a segunda cirurgia, continuo com dores já fui novamente ao médico ao que ele disse que esta bom e disse para a seguradora nao aceitar mais nenhuma recaida. Depois disto, tenho me informado e falam em ir a outro médico por minha conta ou ir a tribunal de trabalho. O tribunal de trabalho é a melhor opção? Como devo fazer para recorrer ao tribunal de trabalho?

    • Hugo

      Peça outra opinião médica e envie o relatório e exame para a seguradora pedindo uma reavaliação.
      Contacte o Tribunal de Trabalho da sua área de residencia, em ultima instancia

  19. Boa noite eu sou bombeira voluntaria caí num carro de fogo fiz uma rutura no menisco no joelho e tenho seguro dos bombeiros estou há dois meses de baixa sou domestica queria saber se o seguro me vai pagar os dois meses que estou doente obrigada

    • Cara Sandra

      Agradeço o serviço nobre que presta.
      O seguro de Acidentes Pessoais de Bombeiros cobre:

      – Morte
      – Invalidez Permanente
      – Incapacidade temporária total ou parcial – é uma diária
      – Despesas de tratamento

      Contacte a seguradora e accione a cobertura de Incapacidade temporária

  20. Boa tarde Dr. Pedro Monteiro, estou no seguro desde maio de 2015 com ITA, e as minhas questões são:
    Se tenho direito a receber o subsidio de natal referente aos meses que trabalhei até me lesionar?

    Se tenho direito a receber por parte do seguro subsidio de natal visto estar à 6 meses no seguro?

    Se a minha entidade patronal é obrigada por lei a pagar-me os restantes 30% da ITA, visto que só recebo os tais 70% do seguro.
    Agradeço a sua atenção cumprimentos.

    • Manuel

      Se tenho direito a receber o subsidio de natal referente aos meses que trabalhei até me lesionar?
      Sim.

      Se tenho direito a receber por parte do seguro subsidio de natal visto estar à 6 meses no seguro?
      Sim

      Se a minha entidade patronal é obrigada por lei a pagar-me os restantes 30% da ITA, visto que só recebo os tais 70% do seguro.
      Não, visto que os 70% são sobre o vencimento bruto

  21. Bom dia. Fiz uma lesão em três dedos da mão devido a esforço durante o trabalho. Nisto a minha colega de trabalho ligou para o agente de seguros, no qual, lhe disse, que este tipo de acidentes a seguradora não cobria este tipo de casos. Logo fui ao centro de saúde e a médica disse que deveria ter ido ao médico da seguradora, pois tinha sido causado diretamente no trabalho. Nisto fiz os papeis todos, tive de baixa médica e fui à segurança social. Logo averiguaram a situação, na qual, concluíram que realmente tinha sido um acidente de trabalho. Agora para receber alguma indemnização, tenho de pôr um processo em tribunal, ou, falar com o agente de seguros para ver se chego a entendimento. Ontem tive reunido com o agente da seguradora na empresa na qual trabalho e voltou a afirmar que tinha quase a certeza que a seguradora não cobria tais casos. O que devo fazer?

    • David

      Nunca participou ao seguro de acidentes de trabalho? mesmo depois de a segurança social ter chegado à conclusão de que se trataria de um acidente de trabalho?
      Exponha por escrito à seguradora o sucedido e junte relatórios e exames médicos.

  22. Boa tarde.
    Após acidente de trabalho e ficar com IPA de 100% gostaria de esclarecer algumas questões.
    O subsídio por elevada incapacidade é pago pela seguradora anualmente? Há alguma indenizaçao (em dinheiro, não em espécie) a que tenha direito além da pensão, subsídio por elevada incapacidade, subsídio 3ª pessoa e subsídio para readaptação da habitação?
    Obrigada

  23. Bom dia. A minha dúvida é a seguinte. Fui vitima de atroplemanto em passadeira ha cerca de 2 meses quando me encontrava de folga. Na altura o perito veio a minha casa. Agora recebi uma mensagem no telemóvel a dizer que tinha uma consulta na sede da seguradora. A minha questão é se sou obrigado a comparecer nessa consulta, uma vez que me encontro ainda de baixa e a ser seguido pelo meu medico?
    Grato pela vossa atençao
    Rui Domingos

  24. Boa tarde.

    Tenho uma dúvida, conheço alguém que devido a um desmaio e queda no local de trabalho ficou com uma lesão no pé direito (tornozelo partido). A entidade patronal não querendo participar a situação ao seguro como se deve proceder nestas situações?

    Desde já, agradecido.

  25. A médica meteu me de baixa por doença profissional, após exame concluiram a uma fratura provocada por um acidente de trabalho. A empresa e o seguro assumiram o acidente de trabalho. Como posso cancelar a baixa medica?

  26. bom dia,tenhu uma duvida
    eu tenho um emprego de 40h por semana e tenho um part-time de 15h po semana…posso tar pelo seguro num trabalho e trabalhar no outro?obgado

  27. Bom dia. A minha questão é a seguinte:tive um acidente em serviço em 2013, do qual resultou uma rotura do LCA. Desde então fiquei com atrofia muscular de 4cm na coxa direita e com dor no joelho.Fui submetido a Junta médica da CGA e foi-me atribuído um grau de incapacidade de 5% e a devida remissão, no entanto, continuei sempre com dor no joelho, entrei em contato com a seguradora que encaminharam-me para os serviços médicos. Após apreciação médica estive 4 meses em fisioterapia e por fim, por opção médica irei para nova cirurgia por sequelas derivadas da lesão. A minha questão é a seguinte: O fato de ser uma recaída e de ter de ser submetido a nova cirurgia o dano irá ser avaliado novamente mediante um grau de incapacidade ou irei permanecer com 5% de incapacidade que me foi atribuído na primeira intervenção cirúrgica. A remissão pelo dano será atualizada, ou não terei direito a qualquer remissão pelas sequelas do dano? GRATO PELA ATENÇÃO DISPENSADA

  28. Olá o meu marido teve um acidente de trabalho onde partiu um pé em 3 lados tem pequenos fragmentos encaixados em vários ossos tem retira de ligamentos e 2 osos subrpostos um no outro e vai ter de ser operado ele está com baixa absoluta eu gostaria de saber quanto é que a seguradora paga

  29. Vinha tentar obter um esclarecimento.
    A minha esposa teve um acidente devido a levantamento de cerga, trabalha como empregada de mesa. Foi ao seguro que nenhuns exames fez tomou a medicaçao prescrita e ao fim de um tempo a situaçao atenuou. Passados um ano e alguns meses voltou a ter o mesmo problema, no entanto a seguradora da empresa ja nao era a mesma e onde tinha sido assistida da primeira vez recusaram a recaida devido ter passado mais de um ano.
    A pergunta e se a atual seguradora pode ou nao tratar do assunto, ja que segundo a chefia dela diz que nao pode ser, e gostava tambem de saber se ela pode dirigir-se a seguradora com os papeis que possui atualmente resultantes dessa lesao quer das urgencias hospitalares, relatorio do medico de trabalho e as consequentes baixas da medica de familia resultantes das dores nesse mesmo local provocado por levantamento de cargas pesadas e a entidade patronal dizer que nao abre um processo porque era um problema da antiga seguradora. Obrigado e o que e possivel fazer.

  30. Boa tarde DR.PEDRO
    no dia 25 de setembro a caminho do trabalho sofri um acidente,magoei a mão esquerda sentindo imensas dores seguir a caminho do trabalho que informei o acontecido ao meu chefe, e acionou o seguro,segui para o hospital
    do seguro,fui assistida pela medica pediu rx e foi diagnosticado factura punho esquerdo estou de baixa com imcapacidade temporária absoluta.tive a visita da senhora da seguradora.passados os 30 dias e como não veio os vencimentos telefonei a seguradora e informaram que o processo estava a ser analisado é normal este procedimento.e ate hoje não recebi.no dia 13 de novembro recebi uma carta da seguradora dizendo que após averiguação dos serviços técnicos que a origem das lesões é endógena,interna e não acidente de trabalho,declinando todas as despesas e consequências para minha responsabilidade.Dia 27/11/2015 tenho consulta de retorno com a medica do seguro.Por favor aguardo resposta,muito obrigada

  31. Boa noite, estando incapacitado e pelo seguro por acidente de trabalho terei direito a subsídio de natal tendo em consideração que o recebo pela empresa em duodécimos? Obrigado e parabéns pelo vosso apoio e trabalho.

  32. Boa tarde,
    sofri um acidente de trabalho na passada segunda feira, fui às urgências particulares perto da minha zona residencial. No dia seguinte participei o acidente à empresa em que trabalho e não me foi atribuído médico de seguro até agora. Tive de voltar novamente às urgências, pedir baixa. Já tive em tempos um acidente de trabalho em que no dia seguinte fui logo direccionada para um hospital atribuído pelo seguro e eles é que me examinaram e me atribuíram o tempo de baixa. Não entendo porque neste caso não foi este o procedimento. Não há um tempo limite para que nos indiquem um médico de seguro?
    Obrigada

    • Clarisse

      A participação foi feita ao seguro?
      Já contactaram a seguradora?

      • A participação foi feita, mas com algum atraso pela empresa. A minha questão é um colaborador que tenha um acidente e precise de ser vista por um médico/clinica de seguro de trabalho, pode ser visto sem que a participação seja feita? É que dada à burocracia de assinaturas e documentação, eu tive de ir ao privado, estive de baixa, e apenas fui chamada para uma consulta do seguro depois de voltar ao trabalho. Eu pretendia ser vista imediatamente por um médico/clínica de seguro e não me foi possibilitada esta alternativa. Já tive em tempos um acidente de trabalho em que fui logo direccionada para uma clínica e fui desde o acidente seguida pelo seguro. Aqui os procedimentos foram muito lentos.

        • Clarisse

          Há seguradoras em que pode ligar para um numero próprio e será reencaminhada de imediato.
          A forma mais eficaz é ir à clinica munida da participação original e a empresa envia por mail a mesma para a seguradora ou mediador.

  33. Alexandra Monteiro

    Boa noite… A dia 14 de setembro cai e fiz um entroce apenas fiz um rx.a médica passou medicação e mandou repousar sem fazer esforços,entretanto deram alta e fui trabalhar mas passado umas semanas tive uma recaída voltei ao seguro passaram me 12 sessões de fisioterapia,mas ainda me dói é a médica quer dar alta à força diz que é muito tempo de seguro,com o que tenho assistido e ouvido preocupam se em dar alta em vez de analisarem o estado das pessoas e também terem em consideração a profissão que a pessoa exerce. No meu caso sou vigilante aeroporto e faço muitos esforços subo e desço viaturas e com o pé a doer o receio é que piore. Peço ajuda, o que posso fazer na minha situação?visto que não me encontro a 100% e posso exigir uma ecografia ao pé visto que foi ligamentos? Os meus melhores cumprimentos

    • Alexandra

      Informe a seguradora de que não está curada e que pede nova reavaliação. Se não concordarem, recorra a outro parecer médico e envie os exames e relatórios comprovativos do seu estado de saúde para a seguradora.

  34. Boa tarde,
    o meu marido trabalha na construção civil, recebe á hora. No passado dia 30/10/15 sofreu amputação de parte do 5º dedo da mão direita. O patrão levou-o para o hospital, mas não tem seguro para ele. Quem podemos contactar no Algarve, que nos esclareça acerca dos passos a dar? Infelizmente não me parece que o patronato vá ser minimamente correcto daqui para a frente. Muito grata. Monica Rafael

  35. Tive um acidente de trabalho onde me dei mal jeito as costas ja tou a 4 meses pelo seguro e o seguro paga a 70% a entidade patronal deve pagar o resto que me falta ? Obrigado

  36. Bom dia,

    Este mês estou de baixa de acidente e a empresa não me pagou o salário de este mês, porque disseram que vou receber pela seguradora, é correcto? A segurador irá pagar me o mesmo salário que recebia se não estivesse por acidente?
    Muito obrigado

    • Miguel

      A seguradora vai pagar 70% do vencimento bruto mais subsidio de alimentação pelos dias que esteve e está de baixa. A empresa não tem que lhe pagar nenhuma importancia

  37. Bom dia
    Antes de mais louvo o seu espirito de contribuir para solucionar tantos casos, de tantas pesssoas.
    Neste caso, como me julgo uma pessoa de bem, e não gosto de pactuar com certos”espertos”, o que se pode fazer .com um colega que está de seguro, mas que eu sei que está a trabalhar noutro lado, nunca disse á entidade patronal, mas apetecia-me…obrigado

  38. Boa noite,

    Sou trabalhadora independente e preciso de adquirir um seguro.
    Um seguro de acidentes pessoais é igual a um seguro de acidentes de trabalho?
    Tanto faz adquirir um ou outro?
    Obrigada

  39. Bom dia!
    Aconteceu um incidente a um colega meu na empresa, no qual ao executar um trabalho de descarga de um camião com um empilhador os óculos graduados lhe cairam ao chão, tendo o empilhador passado por cima deles, sendo que estes ficaram danificados sem recuperação. Poderá neste caso ser accionado o seguro de acidentes de trabalho para que lhe sejam pagos os óculos visto que é motorista e estes lhe fazem imensa falta para o bom desempenho do seu trabalho?
    Aguardo resposta agradecendo desde já a sua boa atenção
    Salvador Maia

  40. Ola boa tarde. Tive um acidente de trabalho a tres meses entretanto tive alta so que nao fiquei bem. Sei que posso recorrer outra vez mas gostava de saber que pra isso aconteça se tenho que ir diretamente a companhia ou se tem que sser a identidade patronal a mandar alguma coisa para a companhia. Obrigada

  41. Boa tarde. Tive um acidente de trabalho do qual tive que ir ao hospital. Recebi a carta do hospital com as despesas. Tenho que pagar e depois o seguro de trabalho devolve o dinheiro ou trato as coisas com os recursos humanos e a partir dai eles resolvem com a seguradora? Obrigada

  42. boa tarde, tive um acidente de viação no caminho do trabalho para casa, e a culpa foi minha, o seguro do trabalho paga a compostura do meu veiculo?

  43. Boa tarde,

    Será possível esclarecer o seguinte:

    Meu cunhado teve um acidente de viação quando se deslocava do local de trabalho para casa, sem culpa, sendo registado pela autoridade competente. No dia do acidente foi comunicado à entidade patronal o sucedido, desconhecendo ainda a gravidade dos ferimentos. Após 21 dias internado e uma cirurgia, o “jogo” do empurra começou. Primeira que era a seguradora do terceiro a responsável; depois as baixas era da responsabilidade da segurança social e por ai fora. Acontece que passado 1 mês e 17 dias é comunicado quer pela seguradora do terceiro, quer pela segurança social, que não são responsáveis por qualquer pagamento relativamente a salários e despesas hospitalares sendo da responsabilidade do seguro de acidentes de trabalho, e o seguro de terceiros apenas se reponsabiliza pelos danos materiais. Acontece que a entidade patronal não acionou o seguro de acidentes de trabalho. Como resolver esta situação? Tribunal? ACT?
    Obrigado

    • Manuel

      Nestas circunstâncias funciona sempre primeiro o seguro de acidentes de trabalho visto que o acidente foi no percurso trabalho-casa.
      Caso a entidade patronal não accione o seguro, recorra às entidades que referiu.

  44. sou auxiliar acçao medica tive um acidente de trabalho acionei o seguro ja fui a consulta e foi me diagnosticado um edema no musculo na coxa foi me dada incapacidade temporaria absulota para ezercer as minhas funçoes minha questao e : segundo sei o seguro paga 70% do vencimento e o resto e me pago por a minha identidade patronal?

  45. Boa noite.
    Tive um acidente de trabalho e foi-me passada uma baixa de 5 dias. A minha questão é a seguinte: recebo a 100% por ter sido um acidente de trabalho e estar pelo seguro de trabalho?
    Muito obrigado,
    Aguardo resposta.

  46. Boa noite,
    a minha irmã sofreu um acidente de automóvel no trajeto trabalho – casa. Capotou o carro e daí resultou uma intervenção cirúrgica e muita muita fisioterapia. Um médico quase forçou a terminar o processo e já está quase decidido que irá ficar com uma incapacidade de 12%. A minha irmã sente-se confusa e tenho 3 questões:
    1- O carro apenas tem seguro contra terceiros. Logo da seguradora do carro não recebeu nada. A seguradora de acidentes de trabalho tem aqui responsabilidades?
    2- Durante meio ano não trabalhou. Apesar da seguradora acidentes trabalho ter pago despesas com a saúde não deveria ter uma indeminização por incapacidade temporária para exercer a atividade profissional?
    3- Já foi à junta Medica onde estava o seu médico e outros intervenientes. Apesar de lhe quererem dar 12 % de incapacidade (há 2 dedos que nunca mais recuperarão a 100%) não é possível continuar a fisioterapia? Quem autoriza?

    Muito OBRIGADA

    • Ana

      Respostas em CAPS:

      1- O carro apenas tem seguro contra terceiros. Logo da seguradora do carro não recebeu nada. A seguradora de acidentes de trabalho tem aqui responsabilidades?
      O SEGURO DE ACIDENTES DE TRABALHO TEM PRIORIDADE SOBRE OS RESTANTES SEGUROS VISTO QUE FOI ACIDENTE NO PERCURSO TRABALHO-CASA.
      2- Durante meio ano não trabalhou. Apesar da seguradora acidentes trabalho ter pago despesas com a saúde não deveria ter uma indeminização por incapacidade temporária para exercer a atividade profissional? SUA IRMÃ DECERTO QUE RECEBEU A PARTE DO VENCIMENTO CORRESPONDENTE AO GRAU DE INCAPACIDADE ATRIBUIDO. PENSÕES POR INCAPACIDADE PERMANENTE SERÃO ATRIBUIDAS PELO TRIBUNAL DE TRABALHO.
      3- Já foi à junta Medica onde estava o seu médico e outros intervenientes. Apesar de lhe quererem dar 12 % de incapacidade (há 2 dedos que nunca mais recuperarão a 100%) não é possível continuar a fisioterapia? Quem autoriza? MÉDICO

  47. Boa tarde,

    No final do mês de agosto, sai da fabrica onde trabalho as 21h, sai directo para o restaurante onde ia jantar, mas a entrada do restaurante as 21h15 fui agredido por um desconhecido!
    A minha duvida é se tal incidente podera estar coberto pelo seguro da fabrica?

  48. Bom dia a minha mãe teve um acidente de trabalho donde resultou uma fratura na vertebra teve de usar colete teve que ter apoio ao domicilio comprou uma cadeira para tomar banho e no acidente tb partiu os óculos agora a seguradora não quer pagar nada disto 🙁 onde acha que me deva dirigir obrigada

  49. Bom dia e o seguinte trabalho como empregada de limpeza na empresa e andei uns dias com dores braço e peito fui as urgências do centro de saúde e deram me baixa por ter uma tendinite passou as dores e a baixa vim trabalhar trabalhei o mês passado bem e ontem voltou as dores de novo posso ir acionar seguro ou já não posso por da primeira vez não o fiz obrigada

  50. Boa noite. Uso óculos ha 10 anos. Preciso deles para o meu dia a dia e tendo um trabalho em frente ao computador não consigo sequer abdicar deles. Ha dois dias parti os óculos no meu local de trabalho quando me desloquei à arrecadação. Acontece q a arrecadação está atolada de material e nem espaço temos p nos mexer. Ao abrir a porta de um armário e ao tentar chegar ao fundo do mesmo parti os oculos. O seguro de acidentes de trabalho cobre a despesa? Ou depende da apólice de cada seguro? Obrigada

  51. Bom dia,
    Ao ter um acidente a empresa deve pagar-me a diferença do salário que não paga a seguradora, de forma que eu receba o mesmo salario se não tivesse o acidente?

    Obrigado

  52. Boa tarde Caro Pedro Monteiro,

    Sofri um acidente de trabalho em inicio de Julho de 2015 até a data de hoje estou com Incapacidade Absoluta e a fazer sessões de fisioterapia e a receber pelo seguro.
    Como o meu contrato de trabalho acabou no inicio de Setembro.

    Quando o medico do seguro me der alta e se a mesma conter incapacidade ( exp: 20%). Quem me vai pagar os 20%?! Tenho direito a alguma indemnização?! Quais os procedimentos que devo tomar?!

    Cordiais Cumprimentos,
    Sofia

  53. Bom dia,
    Tive um acidente a caminho do trabalho, um carro bateu-me por trás. Tive que me deslocar ao hospital por estar com dores nas costas. Neste dia faltei ao trabalho.
    No dia seguinte já me sentindo melhor fui trabalhar e assim foi durante o resto da semana (de 3ºf a 6ºf).
    O meu seguro do carro é contra todos os riscos, e ficou provado que o outro veiculo foi culpado.
    Passado uma semana, voltei a sentir dores nas costas e passaram-me uma baixa de 5 dias.
    Quem é que me vai pagar este tempo?
    Tenho que participar a seguradora do trabalho ou ao meu seguro contra todos os riscos?
    Qual é a melhor maneira de agir?
    Posso receber dos dois lados?
    Cumprimentos.

    • Maria

      Nestes casos o seguro de acidentes de trabalho tem a primazia sobre os outros seguros.
      Todas as reclamações de danos corporais devem ser feitas à seguradora do acidentes de trabalho.

  54. Boa Tarde,
    O meu namorado sofreu um acidente de trabalho á cerca de 3 anos, magoou um joelho, foi operado 2 x e não ficou bom… á outros tantos atrás já tinha aleijado o outro também (outro processo)

    Esteve de baixa pelo seguro até agora, mas deram-lhe alta, dizendo que o patrão teria que lhe dar outro trabalho mais leve… o patrão não tem um trabalho mais leve!
    Ele já não consegue fazer o trabalho que fazia antes e fez durante cerca 25 anos, isto está a afetar-lhe a vida a todos os níveis…

    O médico do seguro deu-lhe 20% de incapacidade, o médico do trabalho 100% de incapacidade… a seguradora disse que as coisas se resolviam em tribunal, mas entretanto ele tem que se apresentar diariamente no trabalho para poder comer…

    Ele está a ficar pior e o processo ainda é demorado… quais as obrigações em termos financeiros da seguradora, por já não poder voltar a trabalhar?
    Quem decide ou declara uma doença profissional?
    Obrigado

    • Filipa

      A partir do momento em que se dá inicio ao processo em Tribunal, a seguradora suspende os pagamentos até haver sentença.
      Doenças profissionais estão excluídas do âmbito do seguro de Acidentes de Trabalho.

  55. Boa noite minha mae esteve por baixa do seguro durante aproximadamente 1 mes tendo feito 15 sessoes de fisioterapia sem melhorias acabando por o medico lhe dat incapacidade de 20% e mandando a trabalhar no dia seguinte ja a 100% do horario a questao agora e a seguinte ela tem as ferias do trabalho ja a algum tempo marcado ela pode se ausrntar do pais durante as ferias visto que ja trabalha a 100%?? Por favor aguardo resposta com alguma urgencia..

    • Exma Sr.ª Daniela,
      Boa tarde
      Dado que a senhora sua mãe está já ao serviço, não vemos motivo para não gozar as suas férias.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.

      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  56. Bom dia,
    Tive um acidente de trabalho e estou com incapacidade total absoluta.
    No meu recibo de vencimento consta ordenado base + sub. Alimentação + deslocações km (valor fixo). A minha questão é a seguinte, a companhia tem de pagar 70% do valor bruto incluindo o subsídio de alimentação e as deslocações ou apenas do ordenado base?
    Outra questão que tenho é a seguinte, tenho direito a táxi em deslocações fora do âmbito de consultas e/ou tratamentos?
    Obrigado
    Sérgio

    • Exmo Sr. Sérgio Ribeiro
      Os n/ cumprimentos

      Nos termos legais, tem direito a ser ressarcido dos custos com transportes para observação, tratamento ou comparência a atos judiciais. Chamamos a atenção que nos termos legais, o sinistrado utiliza os transportes coletivos, salvo não os havendo ou se outro for mais indicado pela urgência do tratamento, por determinação do médico assistente ou por outras razões ponderosas atendíveis.

      Quanto ao rendimento, tem havido decisões diversas nos nossos tribunais. Uma das posições, que nós subscrevemos, é que deverá englobar o subsídio de alimentação.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  57. Bom dia

    Um familiar meu teve um acidente de viação no trajeto de casa para o emprego o qual teve intervenção de um terceiro que, na minha opinião, foi o causador do acidente.
    Neste caso a entidade empregadora é obrigada a acionar o seguro de acidentes de trabalho?
    Quem suporta os custos com os danos corporais, materiais, pagamento de vencimento e eventuais indemnizações?
    Obrigado
    José

    • Exmo Sr. José Gonçalves
      Os n/ cumprimentos

      A vítima tem direito a ver reparados os danos patrimoniais e não patrimoniais e pode necessitar de recorrer a dois tribunais diferentes: o do trabalho e o civil. O recurso a este segundo é facultativo, se o trabalhador conseguir resolver o problema amigavelmente e receber uma indemnização adequada. Caso assim não seja, terá de intentar uma Acão demandando o responsável, habitualmente uma seguradora.

      Já o recurso ao tribunal do trabalho é obrigatório, sempre que do acidente resultem sequelas que façam com que o trabalhador, após alta médica, ainda padeça de alguma incapacidade. Sendo obrigatório nesses casos o recurso ao tribunal do trabalho, a reparação aí sentenciada não abrange todos os danos efectivamente sofridos com o acidente, pois a ação limita-se a apreciar a questão do ponto de vista laboral. Desde logo, não inclui as perdas diretas ocorridas no acidente e os danos não patrimoniais (dores sofridas, angústia…). A própria pensão fixada pode não abranger os danos patrimoniais futuros.

      Ou seja, na prática, deverá recorrer a 2 ações. Caso venha a receber valores duplicados, tem a obrigação de restituir o que for repetido à seguradora do acidente de trabalho. Ou seja, na eventualidade de a seguradora do trabalho lhe pagar valores a que está obrigada mas, mais tarde, venha a receber a mesma coisa da seguradora do acidente de viação, esta parte tem de ser reembolsada à seguradora do trabalho.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.

      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  58. Boa Tarde, sou panificador especializado num hipermercado e tive um acidente de trabalho que resultou numa lombalgia aguda, fui encaminhado para o seguro de trabalho que me atribuiu incapacidade temporária absoluta para o trabalho. Depois de fazer tratamento, primeiro com injetáveis e depois com fisioterapia, o seguro mandou-me regressar ao trabalho com incapacidade temporária parcial de 20% e com limitações de que não poderia pegar em cargas pesadas e que teria que continuar a fazer fisioterapia. Ora, apesar de ter contestado essa decisão de voltar ao trabalho devido ao facto de ser panificador, sendo logo impossível não pegar em cargas pesadas, de nada me valeu e apresentei-me ao trabalho entregando nos recursos humanos um papel do seguro com as limitações acima referidas.
    claro que a empresa não se importou nada que eu volta-se ao trabalho, apesar de reconhecer que seria impossível para mim trabalhar sem pegar em cargas pesadas uma vez que faz parte do meu trabalho, mas também nada fez para que isso não acontecesse. Apesar de continuar a fazer fisioterapia e a trabalhar ao mesmo tempo, sinto que estou a regredir na minha recuperação devido ao esforço físico que tenho que fazer no trabalho, levando-me a sentir dores que já não sentia antes .Dei conhecimento deste mesmo facto aos recursos humanos da empresa para tentar encontrar uma solução, que seria não trabalhar enquanto estivesse a fazer a fisioterapia, visto que, inclusive já tive que faltar ao trabalho devido ás dores fortes que sinto depois de cumprir o meu horário de trabalho, mas a empresa diz-me que não pode fazer nada, que tem que ser entre mim e o seguro. isto é mesmo assim? Apesar da empresa saber que mesmo ela não consegue dar-me condições para eu não fazer esforços, nada pode fazer? Poderia-me elucidar se isto é mesmo assim ou se a empresa pode ou deve fazer alguma coisa mais para que não prejudique mais a minha saúde?

    • Exmo Sr. Nuno Guedes
      Os n/ cumprimentos

      O primeiro conselho que lhe dou é, efetivamente, solicitar à sua entidade patronal para ser consultado nos serviços de medicina do trabalho. Entregue-lhes todos os exames que tenha em sua posse e, na eventualidade de lhe faltarem exames e relatórios clínicos, solicite-os na seguradora, pois tem direito aos mesmos.

      Eles próprios sugerem as medidas necessárias e adequadas ao seu posto de trabalho, e determinarão se está ou não apto a exercer o posto com alterações de procedimentos ou adaptação às suas incapacidades;

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt

      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  59. Boa noite,tive um acidente de trabalho no dia 8 de Julho,ao deslocar uma caixa senti um estalo na coluna, mas não liguei, só que a noite fui ficado com doeres, mas pensava que era cansaço, no dia seguinte fui ficado com mais doires nas costas e no pescoço,incluindo formigueiros nos braços.
    Falei com o meu chefe de cozinha que teria de ir ao hospital, dei entrada nas urgências como acidente de trabalho, deram um diagnostico, suspeitado de ser uma hérnia discal.
    Entretanto fui ao medico de clinica geral do seguro, fizeram um RX, que não deu em nada, receitaram anti-inflamatórios e muito repouso.
    Como não houve melhorias fui passada para a ortopedia, em que o medico deu o diagnostico de lombalgia, receitado-me anti-inflamatórios e relaxares musculares.

    Ao fim de 14 dias deu me alta mesmo eu dizendo que ainda não estava 100%. Fui trabalhar no dia 31 de Julho, durante madrugada acordei cheia de dores insuportáveis que não consegui ir trabalhar novamente.

    Fui outra vez para o seguro, o medico deu me mais anti-inflamatórios, ate que decidiu que era melhor fazer injecções de voltaren e relmus, incluindo fisioterapia, fou pedido ao seguro mas recusou.O médico foi obrigado a dar me alta. No dia 28 de Agosto fui trabalhar,mas tive que ir para as urgências, em que a medica vendo o estado que já estava teve que me dar duas injecções( Relmus e voltaren). A minha entidade patronal pediu que voltasse ao seguro, fui vista pelo médico, mais uma vez ele disse que acredita que eu ia ficar bem com a fisioterapia. Mas o seguro diz que eu terei gerado uma doença degenerativa e deram me alta.
    Gostaria de saber o que posso fazer?

    Estou a ser seguida pelo medico de família,tem me feito exames, para já, sei que não tenho hérnia dical.

    • Alexandra

      Será melhor pedir, por carta registada com AR, uma cópia dos relatórios e exames à seguradora e deslocar-se ao Tribunal de trabalho, pois temos duas versões: acidente do seu lado e doença degenerativa do lado da seguradora. Quem tem razão? Deixemos o Tribunal decidir.
      Peça também uma segunda opinião medica.

  60. Tive um acidente de trabalho do qual resultou quebra de óculos e a necessidade de uma intervenção cirúrgica. A companhia recusou pagar a totalidade dos óculos e coloquei, em tempo oportuno,a entidade patronal perante a necessidade de resolver o problema ( não pagando a seguradora fazendo accionar o seguro de responsabilidade civil)porque entendo que tenho direito ao pagamento da totalidade dos óculos. Tenho absoluta necessidade dos óculos ( que uso há quarente anos). Após a alta continuava sem óculos e como tal não me “pude” apresentar ao trabalho – porque nem posso legalmente conduzir para me deslocar. Avisei a entidade patronal e esta decidiu obrigar-me a gozar/descontar dias de férias enquanto o problema não se resolver. Pergunto: 1)- Pode a seguradora recusar pagar a totalidade de um meio indispensável ao trabalhador? Neste caso é a entidade patronal responsável pelo restante valor recorrendo, se o entender, ao seguro de responsabilidade civil que as empresas devem ter? 2)-Pode o trabalhador ser obrigado a cumprir – que estavam calendarizadas para outro período – férias e no imediato a seguir à baixa médica, mesmo sem ter feito um único dia de trabalho? Grato pelo favor da V/ resposta.

    • Exmo Sr. António Martins,

      Boa tarde
      Antes de mais, deverá atender que tem 2 problemas distintos para resolver – um atinente ao seguro, e outro (mais sensível) atinente á sua entidade patronal.
      Quanto à seguradora: seja via seguro de acidentes de trabalho, seja via seguro de responsabilidade civil, tem direito a receber a totalidade do seu custo. Deverá reclamar o pagamento á seguradora por escrito (seja por carta ou presencialmente).
      Quanto à sua entidade patronal, as férias (determina o Código do Trabalho) deverão ser, dentro do possível, agendadas por acordo entre empregador e trabalhador. Há particularidades em alguns regimes especiais de certos tipos de contrato de trabalho, mas a regra geral é essa. Ou seja, caso o Sr. se recusasse em gozar férias nessa altura, poderia fazê-lo. Contudo, a sua entidade patronal também não é obrigada a tê-lo a trabalhar sem condições. Ou seja, podem colocar-se numa situação difícil para ambos, o que não é aconselhável.
      Conselho: seja qual for a solução na seguradora, articule a sua actuação com a sua entidade patronal por forma a que não entrem em conflito.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos

  61. Boa tarde

    Sofri um acidente de trabalho no dia 8 de Agosto, estando com incapacidade temporária absoluta desde então.
    Este mês a minha empresa pagou-me os dias que trabalhei.
    Agora o que queria saber era o seguinte: quando receberei da seguradora os restantes dias, bem como as despesas já efectuadas com medicamentos, transporte, etc. Existe algum prazo para as seguradoras pagarem? Tenho despesas correntes a pagar, não tendo recebido da seguradora poderei exigir, mais tarde, uma indemnização no caso de não conseguir cumprir o pagamento?

    Agradeço esta informação com caracter urgente se for possível.
    Muito obrigado, cumprimentos
    Rogério

    • Rogério

      Contacte a seguradora para obter esse tipo de informações.

    • Exmo Sr. Rogério
      Os n/ cumprimentos
      Primeiro conselho para tornar a resposta mais rápida: de acordo com as normas legais aplicáveis, todas as comunicações da seguradora devem ser efetuadas por escrito ou por outro meio de que fique registo duradouro. Deverá remeter comunicação escrita à seguradora a exigir o pagamento por escrito. Infelizmente, é comum as seguradoras não respeitarem os prazos impostos, pese embora geralmente uma advertência escrita é suficiente para que o dossier seja apreciado mais rapidamente
      O prazo para o reembolso são 30 dias.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  62. Boa Tarde,

    EM caso de acidente de trabalho quem é que deve pagar o ordenado/indeminização?

    Segurança Social ou Companhia de Seguros (Empresa)

    Obrigado,
    Cumprimentos.

  63. 😡 🙁
    boa noite
    sofri acidente de trabalho, tive de baixa absoluta cerca de 15 dias ´quando comecei tratamentos de fisioterapia ja estava a trabalhar,ou seja aceitei essas condicoes visto no seguro terem dito que ja podia trabalhar encontrava-me com dores nas costas e braco direito e dedo inchado .
    ao colocar essa questao ao medico da seguradora ele disse pede para fazer uns trabalhos mais leves . voltei ao trabalho e disse o que me disseram ou seja fui trabalhando assim e fazendo a fisioterapia , fui ficando melhor mas nao curada e ao fim de 25 sessoes de fisioterapia fecharam o processo dizendo que ja nao tem nada a ver com o assunto, a dores sao residuais , nasci ja com uma mal formacao “conflito subacrimonial” e agora o que faco?
    ja estou a fazer fisioterapia outra vez mas desta vez pelo seguranca social mas mesmo assim tenho de pagar
    a entidade patronal escuta diz que ja protestou mas parece-me que devia ter apoio de medicina no trabalho e nao tive …gostava de perceber os passos a dar para nao ser eu a pagar os tratamentos visto so agora ter estes sintomas depois da queda.. obg

    • Exma Sr.ª Alzira,
      Os n/ cumprimentos
      No que diz respeito à incapacidade: existe um requisito jurídico denominado nexo de causalidade adequada que se aplica à obrigação de indemnizar da seguradora de trabalho. Isto significa que a seguradora será responsável pela parte da incapacidade que decorre diretamente do acidente de trabalho. Independentemente de a lesão ter sido provocada em maior ou menor grau pelo acidente de trabalho, esse grau deverá ser determinado pelos peritos para que seja indemnizada a parte da incapacidade que decorre, exclusivamente, das lesões do acidente.
      Infelizmente, um dos argumentos que as seguradoras mais têm explorado para declinar certas situações de responsabilidade é a pré-existência de alguma condição física que, no seu entendimento, provoca a permanência de lesões e, assim, a incapacidade.
      Pode e deve impugnar este entendimento da seguradora. O primeiro conselho que lhe dou é, efetivamente, agendar uma verificação com os serviços de medicina do trabalho da sua entidade patronal. Entregue-lhes todos os exames que tenha em sua posse e, na eventualidade de lhe faltarem exames e relatórios clínicos, solicite-os na seguradora, pois tem direito aos mesmos.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira, advogado

  64. Vasco carpinteiro

    Bom dia, tive um acidente de trabalho no primeiro dia de trabalho e ainda durante o percurso para o local de trabalho!
    Sabendo que se tratava de trabalho temporário com contrato de trabalho temporário de 1 mês,gostaria de saber se tenho direito a ser indemnizado igualmente!

  65. Ola boa noite eu gostaria que me explicasem como eu consigo fazer as contas para ver o que o seguro me esta a pagar
    Ora bem na dia 22/4 tive um acidente de trabalho no qual ainda hoje estou em casa e eu quero fazer as contas do que estou a receber
    A minha entidade patornal declarou na folha de férias o seguinte 505,0 de base + 118,0 de alimentacao e + 30,0 de premio agora como fazo a conta pra saber o que a seguradora me tem que pagar me podem ajudar ???obrigado aguardo uma resposta breve

  66. Boa noite!Tenho que realizar um trabalho em que o tema é
    “Seguro de Acidentes de Trabalhos”.Quais os principais pontos que devo focar?

    Obrigada pela sua atenção. 😛

  67. Bom dia Dr. Pedro Monteiro,
    Agradecia esclarecimento de uma duvida sff, tenho 2 empregos atualmente, um deles a tempo inteiro e outro a part time, ambos os empregos faço os respetivos descontos e impostos e temos seguro de Acidentes de Trabalho. Caso tenha um acidente de trabalho no emprego ( tempo inteiro) e ficar de baixa como se procede para o segundo emprego? A companhia do 1º emprego assume a responsabilidade?
    Melhores cumprimentos

    • Ricardo

      Não somos a entidade indicada para lhe responder quanto à questão relativa ao segundo emprego. Consulte blogs de direito laboral ou trabalho ou contacte um advogado nesta área.

  68. Boa tarde.
    Neste próximo mês de Agosto já tenho ferias marcadas com viagem (já paga) para fora de Portugal. Mas no dia 23 de Julho sofri um acidente de trabalho (dedo partido) ao qual estou com incapacidade temporária absoluta (seguro do trabalho), e o tempo de recuperação vai coincidir com a data das ferias, às quais já tinha reservado e comprado viagem.
    A minha duvida é, agora que estou de baixa, estou “proibido” de gozar as ferias às quais já estavam marcadas antes do acidente?
    Estando incapacitado para trabalhar, também fico “incapacitado” de tirar as ferias já marcadas?
    Sou obrigado a ficar em casa? Existe um limite de distancia maximo para sair de casa?

    Obrigado

    • Caro Paulo

      Estando de baixa, tem direito a gozar as férias noutra altura. Quanto às despesas, se tiver feito seguro de viagem com a cobertura de cancelamento de viagem, poderá obter o ressarcimento das despesas. Em alternativa, verifique se pode cancelar expondo o caso com as entidades com quem marcou as férias.

  69. no passado dia 30 de marco de 2015 sofri um acidente de trabalho tive k ser operada a um joelho entretanto meu contrato terminava a 2 de maio de 2015 e n foi renovado hoje dia 28 de julho tive alta para ir trabalhar com 30 por cento de incapacidade parcial mas visto k estou sem emprego kuais os meus direitos o k devo fazer obrigada

  70. Estive pelo seguro de 22/6 a 5/7 visto que já passaram 20 dias desde que terminou,já não devia ter sido reembolsado?

  71. BOA TARDE,
    Preciso de esclarecer uma dúvida:no dia 13/02/2015 assinei um contrato de trabalho a termo certo,celebrado pelo período de 6meses,renovando-se automáticamente…categoria:Motorista de Pesados.
    Acontece que a 11/03/2015 sofri um acidente de trabalho(parti colo do femur) que fez com q tenha estado com uma incapacidade temporária absoluta até 04/06/2015,tendo neste dia sido dada alta a 80% tendo ficado com uma incapacidade temp.parcial de 20% até ao dia 10/07/2015,altura em q fui visto por um médico perito do seguro ao qual me atribuiu um agravamento na incap.de 10%. Isto é,neste momento encontro-me com uma incapacidade temp.parcial de 30%.O que pretendo saber é,uma vez q n kero renovar contrato q termina a 12/08/2015,quais os dias de férias a q tenho direito e respetivos subsidios,,,uma vez q tendo estado kuase 3meses a receber baixa plo seguro(70%) se junto c o pagamento tem por hábito vir algum valor referente a subsidios ou dias de férias pagos referente a cada um desses meses?
    Agradeçia resp. se possivel c alguma brevidade.Obrigada

    • Boa tarde João

      Tem direito ao proporcional do subsidio de ferias e natal pelo tempo que esteve de baixa. Estes subsidios são pagos na devida proporção sempre que a baixa excede os 30 dias.

      • Então se bem entendi,durante o tempo em q estive c incap.temp.absoluta o q recebia mensalmente incluiu salário+subs.natal+subs.férias referente a cada um desses meses?
        Portanto,qd cessar o contrato apenas tenho direito aos subs.referentes aos restantes meses? E qt a férias deduzo q tenha direito aos 12 dias uteis ou n?
        Peço desculpa plo incómodo,mas é apenas para ficar bem esclarecido. Obrigado pla atenção.

  72. Estou de baixa médica do seguro da empresa, visto que assinei o contrato no dia do acidente, tenho 15 dias a expexperiência. Mas a entidade patronal quer que vá trabalhar e ameaçou dispensar e despedir das funções que exerço referindo que estou à experiência. O que faço? A entidade patronal pode despedir mesmo tanto de baixa? Ajudem me por favor.

  73. Boa noite, eu no dia 20/06/15,ao fazer um esforco senti uma dor muito forte no ombro, fui para o seguro dizeram que era uma rotura,deram-me uma infiltracao e tenho andado a fazer fisioterapia. Na semana passada apos uma ecografia dizem que é tendinite, entao o medico deu-me alta e disse ora ir ao medico de famlia pedir baixa, porque era uma dor cronica e nao podia estar no seguro. Eu antes do dia do acidente nunca tinha tifo queixas nem dores.o que o mefico fez esta correto? Ou o que poderei fazer?

    • Fernando

      Se é uma tendinite, tal configura uma doença e não acidente de trabalho pelo que a posição da seguradora está correcta.
      Se apresentar um parecer medico diferente, talvez a seguradora reverta a decisão.

  74. qual e a percentagem que recebo de um mês pelo o seguro lusitana quando o meu ordenado e de 505 + 93

  75. boa tarde, sofri um acidente de trabalho a qual th estado a ser acompanhado na clinica da firma, agora chegou me a casa o cheque a qual fiquei pasmado com o valor que me pagaram.. ganho 850euros de ordenado, 4.28alimentacao, faco piquetes fins de semana a qual ganho 48euros por fim de semana, e mais os subsídios de natal.. quanto e k a seguradora me têm k pagar?? liguei para la diz me k só têm k pagar 70% do ordenado..eu pergunto e o resto quem me paga??
    podia me ajudar

    • José

      As seguradoras pagam 70% do vencimento bruto.
      Se ficou de baixa por um tempo inferior a 30 dias, não recebe proporcional de subsidio de natal ou ferias.

    • Exmo Sr. José
      As indemnizações por incapacidade temporária começam a vencer-se no dia seguinte ao do acidente;
      Por incapacidade temporária absoluta – O/A trabalhador/a sinistrado/a tem direito a uma indemnização diária igual a 70 % da retribuição nos primeiros 12 meses e de 75 % no período subsequente;
      Por incapacidade temporária parcial – O/A trabalhador/a sinistrado/a tem direito a uma indemnização diária igual a 70 % da redução sofrida na capacidade geral de ganho.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.

      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt

      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  76. Boa tarde na passada sexta feira quando vinha a chegar a casa cai nas escadas de acesso à minha porta de casa o seguro neste caso cobre o acidente?

    Cumprimentos
    Dulce Henriques

  77. No local de trabalho – carpintaria, saltou uma peça e o meu pai levou com ela na cabeça, desmaiou e partiu os óculos.
    Não foi à clínica nem ao hospital e ficou bem, mas os óculos ficaram partidos.
    A empresa diz que o seguro não paga por isso ele tem de ficar com o prejuízo é verdade ou em que lei se pode basear?

    • Carla

      Se o seu pai tiver ferimentos na face, poderá ser ressarcido mas não garanto.

    • Carla o seu pai deve sempre participar o acidente, este, será com toda a certeza submetido a averiguação e só depois das circunstancias apuradas se poderá concluir pela aceitação ou não do acidente e dos danos materiais.

  78. Boa noite, dia 15/06/2015 fui vitima de um acidente (queda de moto), provocado por derrame de gasóleo de uma viatura da empresa ,o acidente ocorreu a entrada da empresa , e a situação foi assumida pela empresa. A minha questão e a seguinte eu estou de baixa pelo seguro de acidentes de trabalho da minha empresa mas qual e o valor que irei receber, a companhia de seguros do carro que provocou o acidente não tem de me pagar uma compensação por perdas salariais ? Qual a percentagem que cabe a cada uma das seguradoras quer a de acidentes de trabalho quer a da viatura que causou o acidente, tou um pouco confuso com esta situação visto que o meu ordenado base sao 623€ mas tenho recibos com extras que mensalmente chegam a mais do dobro do salário base? Se pudessem esclarecer agradecia?

    • Caro Vítor Batista

      Num caso como o descreveu, o seguro de acidentes de trabalho tem a “primazia” no pagamento de indemnizações pelo que o sinistro é regularizado primeiro pela apólice de Acidentes de Trabalho.
      Como referiu que tem valores extras no recibo de vencimento, poderá accionar a apolice do causador do acidente enviando para a respectiva seguradora uma reclamação e comprovativo desses rendimentos que perdeu.

  79. Bom dia, gostava de saber uma informação. Por se encontrar de baixa durante um mês e pouco, existe algum direito de reembolso por parte da seguradora no que diz respeito ao pagamento das prestações do crédito de habitação?

  80. Dr Pedro estou numa situação complicada sendo hoje dia 03-07-2015 e o acidente de trabalho ocorreu no passado dia 24-06-2015 queda de um escadote, na altura foi me dado gelo para colocar no antebraço e na mão direita, embora senti-se algumas dores continuei a trabalha mas na manhã de sexta feira a mão estava mais inchada, fui ao hospital fizeram-me rx e diagnosticaram-me com fractura do 5º colo da mão direita fiz participação de seguro e na segunda feira fui á seguradora mesmo sem terem la a participação do seguro, atenderam-me e fizeram-me um novo rx diagnosticando-me a mesma fractura mencionada pelo hosptital a qual requer um intervenção cirugica, o problema é que a empresa ainda não enviou a participação do seguro… O que devo fazer dirigir-me ao tribunal de trabalho?

    Estou de baixa médica passada pela seguradora e se esta não recebe a participação como fica a minha situação, quem me irá pagar estes dias e a intervenção cirugica?

    Cumprimentos,
    Jorge Macedo

    • Caro Jorge

      Para que possa ser pago pelos dias de incapacidade e para que a seguradora assuma os custos médicos, é fundamental que o tomador do seguro (empresa) envie a participação à seguradora.

  81. Boa tarde tive um acidente de trabalho quando descobri que não tinha seguro a minha patroa fez um no dia a seguir ao acidente e mandou me tratar por minha conta alegando que assumia as despesas assim fiz e tou de baixa por mim agora que me tratei pela caixa estou a ter problemas em que ela assuma as despesa. Como me posso defender agora?
    Obrigada

  82. Bom dia . Gostava de tirar uma informação . Tive uma pessoa a trabalhar para mim a cortar uns Ramos de umas árvores . Sou um privado e dei este trabalho a uma pessoa conhecida , a pessoa torceu um pé ao descer uma escada . Tive que ir para o hospital . Vai ser operado . Como funciona os segurosneste caso sou eu que tenho que dar seguro ou a própria pessoa tem que ter o seu seguro . Agradecia que me respondesse . Obrigado Helder silva

  83. Antonio Oliveira

    Boa tarde:
    Tive um acidente “in itinere” e fiquei de baixa durante 28 dias.
    Dado que pretendia mudar de seguradora automovel, nao paguei o premio, e por azar na data do acidente nao tinha seguro valido (veiculo de 2 rodas, 125 cm3)).
    É razão para a seguradora da entidade patronal se recusar a assumir os custos deste tipo acidente de trabalho (acidente in itinere)?
    Obrigado.
    Antonio O.

    • Caro António

      O seguro automovel não tem nada a haver com o seguro de Acidente de Trabalho. Este seguro tem prioridade sobre o seguro automovel num acidente conforme descreveu.

  84. boa tarde,

    antes de mais parabéns pelo site e todas as informações que nele constam.

    precisava de uma ajuda:
    o meu pai sofreu um acidente de trabalho em 2008, e desde essa altura tem sido tratado pelos médicos do seguro. Acontece que no ano passado não concordadamos com as opções de tratamento indicadas por um dos médicos de urologia do seguro, pedimos então segunda opinião a outro médico fora da companhia de seguros que indicou um tratamento diferente. Pedimos autorização à companhia de seguros para realizar esse tratamento, a qual após insistência da nossa parte lá aceitou.
    contudo recebemos esta semana uma carta do seguro indicando que a partir de agora todas as consultas e exames teriam de ser novamente realizados no médico de urologia do seguro, o qual tecnicamente deixa muito a desejar e não confiamos nele. O que sugere que possamos fazer para continuar com as consultas e exames no médico fora da companhia de seguros?

    obrigado
    jorge

    • Bom dia Sr. Jorge,

      Aconselhava desde logo que se documentasse o mais possível – exames realizados, datas de consultas e tratamentos, e todos os relatórios médicos que tenha.

      Obviamente que poderá, por seus meios, verificar se está a ser bem acompanhado ou não. Tem direito a segunda opinião, como ocorreu. Tem contudo a seguradora o direito de nomear qual o seu médico assistente. Em caso de discórdia com ele, solicitem à seguradora que consultem o seu médico a título de segunda opinião.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.

      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt

      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  85. Desde que a entidade patronal tenha comunicado o subsidio à seguradora, sim. Caso contrário terá que responsabilizar a entidade patronal.

  86. boa tarde tive um acidente de trabalho no dia 12 de maio,andei a fazer fisioterapia na minha residençia em vila real,na segunda feira ligaram me do seguro para ir a uma consulta no porto no hospital de santa maria,ligaram as 11 horas para estar la as 4 e 30 tive que me deslocar na minha viatura visto ser muito em cima da hora e sexta tenho que voltar la fazer um exame eu queria saber como posso reclamar as viagens visto que no seguro so de tranportes publicos,mas nao ha nenhum k passe perto do hospital de santa maria cumprimentos

  87. Ola bom dia.
    O meu marido teve um acidente à uns meses, tendo ficado de baixa cerca de 3 meses. Entrou ao serviço no dia 28/4 tendo este mês de maio ja trabalhado o mês completo. No entanto a empresa pagou muito menos do que devia, alegando que tem a descontar horas por acidente de trabalho. Sabe explicar-me porque?

    • Teresa

      Não posso dar uma resposta exacta porque não tenho os factos, mas o seu marido deve ter ficado com algum grau de incapacidade temporário.
      Imaginemos que foram 20%
      A seguradora paga 20% do vencimento bruto pelos dias que teve de incapacidade e a entidade patronal paga o restante.

    • Bom dia, D.ª Teresa,

      Quando existe uma incapacidade parcial por acidente de trabalho, é suposto haver uma parte da retribuição assumida e paga directamente pela seguradora – a parte da incapacidade. Caso seja essa parte que a entidade patronal esteja a omitir, estará correcto. Contudo, essa parte tem de ser assegurada pela seguradora.

      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt

      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  88. Ola Boa noite,
    Gostava que me pudesse ajudar numa situação que estou a passar.
    Fiz um esforço à mais de 3 meses no trabalho, senti alguma dor, mas com alguns “benuron” e
    “brufen” a dor foi passando. Ao fim de 15 dias queixei-me no trabalho…mas a dor era suportável e tb não dei importância. Ao fim de mes e meio a dor foi aumentando e comecei a ter formigueiro. pedi para ativar o seguro no trabalho, mas disseram que não era possível. Fui a 2 médicos por minha conta, 1 disse que pode ser doença profissional, derivado ao esforço continuo(ainda aguardo alguns exames), outro diz que derivado ao esforço fiz um edema muscular que esta a dar origem a outro problema nos tendões. Não quis baixa, trabalho com aptidão condicional, passada pela medicina do trabalho, que acompanha a minha situação. Aguardam os meus exames pra ver se o seguro é ativado. O que posso fazer?

  89. Boa noite, tenho uma de muitas duvidas, sou metalurgico e trabalho por turnos sendo 3 com rotação mensal ,tive um acidente de trabalho no dia 27 de julho de 2014, ao qual por infelicidade ainda me encontro com lesão e em tratamento,indo então a/s minha/s duvida/s:
    A seguradora tem q pagar subs de turno?
    A seguradora paga baseado numa media dos últimos meses ou sobre a ultima folha de ordenado?
    Tenho direito a receber o subs de alimentação?
    Sei q me estão a pagar 70% do bruto(ilíquido) tb sei que desde 2009 a lei diz que os restantes 30% ninguém paga, só não sei é se a minha empresa da área da METALURGIA é ou não obrigada a mencionar no contrato com a seguradora q deve estar ao abrigo da convenção dos metalurgicos, se é como se vai desatar a falta destes 10%?!
    Por falar em obrigações, a minha empresa é obrigada a mandar mensalmente para a seguradora a folha de férias com o SR?
    Obrigado pela atenção.

    • Pedro

      Respondendo às suas questões:

      A seguradora tem q pagar subs de turno? Sim, se for de carácter regular.

      A seguradora paga baseado numa media dos últimos meses ou sobre a ultima folha de ordenado? Paga com base no vencimento mensal e subsidios declarados.

      Tenho direito a receber o subs de alimentação? Sim, desde que a empresa o declare na folha de férias que envia mensalmente para a seguradora

      Sei q me estão a pagar 70% do bruto(ilíquido) tb sei que desde 2009 a lei diz que os restantes 30% ninguém paga, só não sei é se a minha empresa da área da METALURGIA é ou não obrigada a mencionar no contrato com a seguradora q deve estar ao abrigo da convenção dos metalurgicos, se é como se vai desatar a falta destes 10%?
      Se a sua empresa estiver ao abrigo da convenção colectiva dos metalurgicos, deve informar a seguradora desse facto e aí serão considerados 100% do vencimento Bruto (iliquido)

      Por falar em obrigações, a minha empresa é obrigada a mandar mensalmente para a seguradora a folha de férias com o SR? Sim

  90. Boa tarde,
    estou de baixa por acidente de trabalho à praticamente duas semanas. Estou com incapacidade absoluta temporária (até à data da próxima consulta).
    Da última vez que fui ao médico perguntei se podia sair de casa para além das consultas e exames porque preciso de ir ao supermercado e ele respondeu que seria só para urgências.
    É mesmo assim ou tenho algum horário especifico em que posso sair? e como é ao fim de semana?
    Sei como funcionam as coisas na Segurança Social mas quando estamos por baixa de seguro é igual ou mais restritivo?
    Cumprimentos,
    Ana

  91. Boa tarde Estimado Pedro

    Poderá me informar qual o artigo que fala da nulidade de AT, mais em concreto – Declarações incorrectas que influenciem o risco que se está a cobrir ou a falta delas, implica a nulidade do contrato e a desresponsabilização da seguradora em sinistros. Exemplo: o seguro estar tarifado como empregados de escritório quando a actividade é Comércio por Grosso de Produtos X em que o risco é maior, pois implica armazenagem. ??

  92. Boa tarde

    Chamo-me Pedro e sou docente num colégio privado com contrato de associação com o Ministério de Educação.

    No decorrer de uma atividade (definida no plano anual de atividades da instituição),a 15 de dezembro de 2014, tive o azar de fraturar em dois locais o punho direito.

    Em 27 de Janeiro de 2015 fui operado e desde então encontro-me a realizar fisioterapia de modo a recuperar a total mobilidade do referido punho.

    Encontro-me, pois, de baixa médica por acidente de trabalho desde a data da fratura.Todavia, gostaria que me esclarecesse, se possível, algumas dúvidas e me indicasse a legislação que regula as mesmas:

    1. O meu contrato de trabalho cessa a 29 de Setembro de 2015. A instituição patronal pode optar por não o renovar? Se o fizer, quais as consequências para mim dada a situação em que me encontro?

    2. No caso de não haver renovação de contrato, terei na mesma os tratamentos a realizar pagos pela seguradora?

    3. Durante o mês e meio situado entre data da fratura e da operação, o primeiro médico indicado pela seguradora imobilizou-me mal o punho partido o que de acordo com quem me operou resultará numa incapacidade permanente para o resto da vida. (Só não me conseguiu indicar a respetiva percentagem). Tenho direito a interpor alguma ação contra o mesmo?

    4. Dado o facto de me encontrar de baixa médica desde o dia 15 de dezembro, o tempo de serviço continua a contar?

    Cumprimentos cordiais,
    Pedro Oliveira

    • Exmo Sr. Pedro Oliveira

      A seguradora irá avaliar a sua situação clínica numa série de parâmetros objectivos, mas que se destinam a avaliar 2 coisas: primeiro, que tratamentos serão necessários empreender para lhe efectuar a melhor recuperação possível. Por outro lado, quais os danos que, não sendo possível reparar na íntegra, irão condicionar, e em que medida, a sua vida futura, seja pessoal ou profissional.
      Terá direito a tratamentos até se encontrar numa situação de “alta Médica”, que geralmente ocorre quando a lesão desapareceu totalmente ou se apresenta como insusceptível de modificação com terapêutica adequada.
      Após estas avaliações, a seguradora terá de lhe avaliar eventual incapacidade permanente de que ficará a padecer e, na afirmativa, remeterá o dossier clínico para apreciação do tribunal de trabalho. Pode conciliar-se com a seguradora, caso cheguem a acordo de valores.
      Conselho: quando tiver o relatório final da seguradora em mãos, não entre em negociações aleatórias: consulte um médico ou um advogado (nós ou outros) que tenha um médico protocolado. Só assim poderá defender efectivamente os valores a que tem direito.

      As suas questões:
      1 depende do tipo de contrato de trabalho que tem – suponho que seja a termo, mas solicitava que mo enviasse via mail para advogados@ribeiroteixeira.pt, para resposta clara e correcta.
      2. Sim;
      3. Caso a incapacidade permanente passe a ser considerada, a final, pela seguradora, vai obter compensação. Independentemente disso, uma acção por responsabilidade médica é possível (possível, mas a apreciação da sua viabilidade depende de uma análise feita por um médico);
      4. sim
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  93. boa tarde caro Pedro

    A minha mulher fez uma entorse no pé no dia 23 de abril em quanto trabalhava foi para o seguro até ao dia 27 do mesmo mês.
    entretanto recebeu o pagamento de 4 dias de seguro equivalente a 70% do ordenado sendo que no seguro nos informaram que o dia 23 era pago pela entidade patronal que diz não ser obrigada a pagar, segundo o que li aqui e a lei 98/2009 que me foi dita pela seguradora eles têm que pagar, gostaria de saber se a minha mulher tem o direito a receber os restantes 30% pela entidade patronal
    obrigado

    • Caro Filipe

      O dia do acidente é pago pela entidade patronal
      A sua esposa recebeu 70% do vencimento bruto (não é o liquido que leva todos os meses). Está certo. E a entidade patronal não tem que pagar os restantes 30%

  94. Venho por este meio pedir ajuda relativamente a situação que estou a tentar resolver.
    A 30 de Janeiro tive um acidente de trabalho o qual fui para o seguro. Estive com incapacidade temporária absuluta desde 30 de janeiro ate dia 13 de Março. Quando fiz as contas reparei que nao me pagaram o salario na totalidade e contactei a seguradora, fui informado que so me pagam 70% do salario e que a entidade patornal pagaria os restantes 30%. Falei com o meu patrão e imediatamente ele recusou pagar esse restante valor.
    O que devo fazer?
    Obrigado
    Luis Tavares

  95. Bom dia,estive 6 dias de seguro a 100% mas a empresa descontou me 7 Dias.Disse lhes que o dia do acidente eles é que tinha de pagar.pagaram me eesse dia, mas verifiquei que não era o mesmo valor pago num dia normal. Perguntei e disseram me que a seguradora só pagava 70%, mas se estive com incapacidade a 100% não me deviam pagar os 30% que falta? O dia do acidente que não contou como dia de baixa não devia ser pago como dia normal? Visto que trabalhei algumas horas e até ser atendida pelo médico do seguro ultrapassou o meu horário laboral do dia?
    OBrigaDa

  96. Boa tarde Drº
    No mês de Janeiro de 2015, tive um acidente de trabalho, encontrando-me ainda no seguro. A minha duvida é sobre os subsídios pagos pela seguradora. Tenho subsidio de alimentação e subsidio de disponibilidade. Telefonei à companhia de seguros e os mesmos disseram-me que pagam os subsídios de alimentação, disponibilidade, 13º mês e 14º mês, mas os valores pagos, penso não serem os reais. Gostaria de saber quais as percentagens que pagam sobre os subsídios e se levam os descontos. Obrigado

    • A seguradora não paga descontos para a segurança social.
      Salvo convenção colectiva, os valores pagos são 70% dos vencimentos brutos

      • Boa noite Dr.
        Desde já agradeço a prontidão da questão por mim colocada.
        Questiono o que é convenção colectiva?
        Somente mais uma questão, para efeitos de declaração anual do IRS, a seguradora emitirá algo para mim enquanto me encontrei de baixa temporária absoluta?
        Os mais sinceros agradecimentos.

        • Luís

          Convenção coletiva de trabalho, ou CCT, é um ato jurídico pactuado entre sindicatos de empregadores e de empregados para o estabelecimento de regras nas relações de trabalho em todo o âmbito das respectivas categorias (econômica e profissional).
          Para efeito de IRS, penso que a seguradora não emite declaração, mas questione a mesma por favor.

  97. Boa noite, precisava de uma ajuda da vossa parte se possivel.
    Na semana passada tive uma forte dor no ombro, o medico do seguro diz que se trata de uma tendinite e por isso recusou-se a dar-me tratamento. Diz que e uma lesão do trabalhador e nao acidente
    Esta correto da parte da seguradora?
    O meu trabalho é muito pesado.
    Obrigado

    • Bom dia Sr. Bruno
      Como imaginará, essa questão é mais clínica do que jurídica. As doenças profissionais constam da lista organizada e publicada no Diário da República. Mesmo que não constem da lista deverão ser assim consideradas caso a lesão corporal, perturbação funcional ou a doença sejam consequência, necessária e directa, da actividade exercida e não representem normal desgaste do organismo
.
      De qualquer das formas, e para que possa usufruir de uma opinião independente relativamente à seguradora, o que lhe sugiro é que tente agendar uma consulta nos médicos que prestam serviços de medicina do trabalho à sua entidade patronal. Geralmente são médicos com muita experiência nesse tipo de questão – caso a sua situação clínica possa ser enquadrada como acidente de trabalho, eles saberão.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira, advogado

  98. Bom dia
    Estou de baixa desde o dia 1de Abril,Já fiz exames e diz que tenho tendinite com bursite no ombro. Estou de baixa como doença natural,isto é considerado doença profissional? ou acidente de trabalho?Gostaria de saber o que fazer e os meus direitos.obrigado

    • Bom dia, D. Odete
      Como imaginará, essa questão é mais clínica do que jurídica. As doenças profissionais constam da lista organizada e publicada no Diário da República. Mesmo que não constem da lista deverão ser assim consideradas caso a lesão corporal, perturbação funcional ou a doença sejam consequência, necessária e directa, da actividade exercida e não representem normal desgaste do organismo
.
      De qualquer das formas, e para que possa usufruir de uma opinião independente relativamente à seguradora, o que lhe sugiro é que tente agendar uma consulta nos médicos que prestam serviços de medicina do trabalho à sua entidade patronal. Geralmente são médicos com muita experiência nesse tipo de questão – caso a sua situação clínica possa ser enquadrada como acidente de trabalho, eles saberão.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira, advogado

  99. Boa tarde. Agradeço que me seja esclarecida a seguinte dúvida. Tive um acidente de trabalho e a companhia de seguros apenas me paga 70% da remuneração bruta. No entanto, já várias pessoas me referiram que deveria ser paga a 100%. Será que a minha entidade empregadora tem de pagar os restantes 30%? O meu muito obrigado desde já!

    • Bom dia, Sr. Raul
      Nos termos do artigo 255.º do Código do Trabalho, a falta por acidente de trabalho determina a perda da retribuição, desde que o trabalhador esteja abrangido por sistema de reparação de subsídio ou seguro (como é, aliás, obrigatório).
      Nos termos do artigo 48.º da Regulamentação do Regime de Reparação de Acidentes de Trabalho e de Doenças Profissionais, o trabalhador tem direito a:
      1. Por incapacidade temporária absoluta – indemnização diária igual a 70 % da retribuição nos primeiros 12 meses e de 75 % no período subsequente;
      2. Por incapacidade temporária parcial – indemnização diária igual a 70 % da redução sofrida na capacidade geral de ganho.

      Estará, presumo, numa das 2 situações vindas de referir, pelo que não terá direito a receber o remanescente.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira, advogado

  100. Boa tarde,tive um acidente de trabalho em 12 agosto de 2014 estive de baixa pelo seguro ate 20/04/2015,gostava de saber a quantos dias de ferias terei no ano de 2015 e 2016?Obrigado.

    • Bom dia Sr. Jorge
      Nos termos do artigo 244.º do Código do Trabalho, o gozo das férias não se inicia ou suspende-se quando o trabalhador esteja temporariamente impedido por doença ou outro facto que não lhe seja imputável, desde que haja comunicação do mesmo ao empregador.
      Assim sendo, terá os mesmos dias que teria caso estivesse a trabalhar.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira, advogado

  101. Bom dia,
    Faço processamento de salários numa empresa.
    Em Janeiro um funcionário esteve uns dias com baixa de seguro acidente de trabalho. Paguei-lhe 100% porque desconhecia que estava com uma incapacidade de 20%. Só + tarde é que tive conhecimento disso e também que a Companhia de seguros lhe pagou. Entretanto foi operado e ficou de baixa até Abril. Tenho de lhe descontar os dias que paguei 100% quando efectivamente o seguro indicou baixa com 20%, porque assim sendo o funcionário recebeu mais com baixa do que a trabalhar (120%)???… Também processei subs.de férias em duodécimos nos meses em que esteve com baixa, não sabia que a comp. seguros pagava … Como fazer regularização dos valores pagos indevidamente a mais no processamento de salário de Abril?…
    Agradeço v/ esclarecimento
    Cpts

    Ana Cristina

    • Bom dia, D. Ana Cristina
      Por uma questão de metodologia, solicitávamos que nos colocasse a questão via “blog da empresa”, que pode encontrar através do seguinte endereço: http://blogdaempresa.pt/
      Trata-se de um blog muito recente, e que temos estado a actualizar durante a semana transacta para que possamos, também, responder a questões que sejam colocadas por empresas sem departamento jurídico autónomo.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  102. boa noite
    gostaria que me ajudasse num problema…
    no dia 9 de fevereiro tive um acidente de trabalho(esforço no ombro e braço direito) desde entao… ando em tratamentos inicialmente fiz uma ecografia onde acusou varios problemas tais como liquido,um quisto,uma rotura entre outros problemas de seguida fui transferido para a clinica da companhia onde me mandaram fazer 10 sessoes fisioterapia mas nao haviam melhoras entao fizeram me 2 ressonançias 1 a coluna cervical outra ao ombro mas os resultados foram tudo dentro das normalidades e deram me a alta entretanto fui trabalhar apenas 2 horas e nao consegui …depois fui a medica de familia contei a situaçao e aconselhou me a fazer uma nova ecografia,e os resultados foram quase os mesmos que a primeira e voltei a recorrer para o seguro entao o medico que me segue pediu para fazer uma nova analise a ressonançia e os resultdos foram os mesmos e deram me a alta isto no passado dia 10 de abril com tudo sinto me igual…gostaria de saber a sua opiniao se devo recorrer ou ir a medico de familia ou entao pedir apoio ao tribunal de trabalho para ter acesso aos exames …aguardo sua. resposta com urgencia obrigado….

    • Exmo Senhor Jorge Neto
      Desde logo, refira-se que pode e deve ter em sua posse todos os relatórios médicos, exames, pareceres e documentos que estejam associados ao seu caso. Pode e deve exigir à seguradora que lhe faculte os mesmos. Eu começaria por os pedir, caso não os tenha.
      Quando os tiver em sua posse, deverá contactar um médico ou advogado com médicos protocolados (nós ou outros) que saibam efectuar essa avaliação com competência. Sem prejuízo de como se sente, como deverá imaginar, aquilo a que terá ou não direito a exigir depende sempre de uma opinião médica que lhe seja favorável, pois nem advogados nem tribunal emitirão qualquer juízo de valor sem que um médico confirme a sua situação clínica.
      Independentemente disso, pode pedir uma revisão da sua situação clínica à seguradora uma vez por ano.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira, advogado

  103. Boa tarde. Sou trabalhador independente e de momento estou a prestar um serviço a uma empresa.
    Exigiram-me um seguro de acidentes de trabalho, e dizem que o pagamento fica a meu encargo.
    Eu pensava que quem pagava o seguro era a empresa, não devia ser assim?

  104. Boa noite,
    Gostaria que me esclarecessem uma dúvida que é a seguinte:

    A minha atividade profissional envolve pegar em algumas malas pesadas e o que me resultou um estiramento muscular, ao estirar falei na empresa que sentia dor e precisava de ir para o seguro mas contudo disseram que se lá fosse íam dar como doença natural. Sendo eu novo nestas burocracias e não percebendo muito dos direitos do trabalhador fui ao meu médico no qual deu-me baixa. Induzido em erro pelo que me disseram na empresa fiquei dádo como doença natural. Estive 7 dias de baixa a tentar recuperar e mal me senti melhor voltei à atividade profissional e desta vez conciliando a fisioterapia. Contudo piorei e fui obrigado a pedir nova baixa e o que atualmente ainda perdura e desta vez sem direito ao subsidio de doença.
    A questão é a seguinte, ainda posso reclamar por direito o seguro do trabalho à entidade patronal?

    Obrigado

    • Bom dia Sr. André
      Nos termos legais, os acidentes de trabalho devem ser comunicados à seguradora nos 8 dias posteriores ao acidente ou ao conhecimento da sua ocorrência, consoante seja comunicado pelo acidentado ou tomador do seguro.
      Deverá participar o acidente directamente à seguradora, caso a sua entidade patronal não o queira fazer, mas a seguradora pode não o aceitar com esta base. Nessa eventualidade, resta-lhe demandar a entidade patronal por perdas e danos. Deverá tentar articular esta questão com a sua entidade patronal.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  105. Boa tarde Dr.
    A minha esposa teve um acidente de trabalho no mês passado, desequilibrou-se e embateu com a face em uma porta danificando os óculos graduados e ficando com um hematoma na face.

    Ela foi ao Centro de saúde e como não tinha nada partido o hematoma desapareceu passado dois dias apenas com aplicação de gelo.

    Solicitamos a seguradora o pagamento dos óculos danificados… enviamos a receita dos óculos antigos e a receita dos novos óculos, a graduação das lentes foram alteradas.

    Não temos a fatura de compra desses óculos danificados contudo solicitei um orçamento para as lentes antigas e o valor orçamentado foi de 350 euros mais IVA.

    Os óculos novos custaram 1.000€ (210 armação e 790 lentes). A seguradora só quer pagar o valor de 350€ alegando que não temos a fatura de compra.

    Qual o suporte legal para obrigar a eles a pagar o bem conforme estava, armação nova e o valor das lentes antigas.

    Aceito que eles não tenham de pagar as lentes com a nova graduação mas que paguem o valor das lentes antigas e da armação.

    Obrigado
    Mauro Lopes

    • Boa tarde Mauro Lopes

      A seguradora deveria pagar os 210 da armação mais 350,00 das lentes
      Se pagam as lentes, têm que pagar uma armação identica à que tinha
      Reclame por escrito à seguradora e em ultimo caso ao Instituto de Seguros.

  106. Bom dia, tive uma lesão na cervical ao serviço da empresa, ao descarregar uma maquina, estive no seguro um mês que depois me deu alta mesmo com queixas da minha parte, e logo a seguir fui para médico de família que me aceitou, mas a segurança social recusou-se a pagar subsidio estando em baixa médica doença directa, sem remuneração, e estou já a 9 meses sem vencimento,entretanto fui para tribunal de trabalho que está a analisar o meu caso,eu vou ter direito? a receber os retroactivos dos nove meses sem vencimento por doença?pois estive após o seguro me dar alta em baixa médica todo este tempo,ou o tribuna vai atribuir que tipo de doença eu abranjo ser tratado.Agradeço desde já a vossa atenção.

    • Boa tarde Sr. Belarmino
      As indemnizações por incapacidade temporária começam a vencer-se no dia seguinte ao do acidente; As pensões por incapacidade permanente começam a vencer-se no dia seguinte ao da alta. Ou seja, se o tribunal lhe der razão, pode e deve pedir com retroactivos. Contudo, deve debater esta questão a quem o representa em tribunal, seja Advogado ou magistrado do Ministério Público, pois podem existir pormenores relevantes que eu desconheço.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  107. Exmo Senhor Dr,
    Gostaria de colocar a seguinte questão.
    Tenho uma pessoa de familia que teve um acidente no trabalho.
    Está de baixa pelo seguro da entidade empregadora,
    Foi convocada pela advogada da entidade empregadora por motivos disciplinares:
    Pergunto:
    1. Estando de baixa tem de comparecer a esta reunião?
    Ângela Luis

  108. Bom Dia! O seguro que pague por acidentes de trabalho 70% do vencimento ao colaborador por incapacidade de 100%, a empresa é obrigada a pagar os restantes 30% ao colaborador?! Obrigado

  109. Tive um acidente de trabalho em 22-01-2013. Foi-me atribuída uma incapacidade de 4%. Em 19/03/2015 tive fortes dores na coluna que relacionei com o referido acidente. Desloquei-me à médica de família que me atribuiu uma baixa médica de 19/03/2015 a 30/03/2015. Em simultâneo, no dia 20/03/2015 pedi à companhia de seguros para reabrir o processo. No dia 26/03/2015 (7 dias depois do contacto)foi observado pelos serviços médicos da companhia de seguros que me atribuiu uma ITA de 26/03/2015 a 02/04/2015. Entretanto solicitei à Companhia de seguros o pagamento da retribuição relativa ao período de 19/03/2015 a 02/04/2015. A companhia informou-me que só está disponível para pagar a partir de 26/03/2015. Não me parece aceitável a posição da companhia de seguros.Não posso ser penalizado pelo facto da companhia ter demorado 7 dias a reabrir o processo, até porque existe um nexo de causalidade entre a situação clínica de 19/03/15 e a de 26/03/2015.

    • Boa tarde Sr. Rui
      As indemnizações por incapacidade temporária começam a vencer-se no dia seguinte ao do acidente, pelo que pode e deve exigir desde o dia 20.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  110. Boa tarde DR Pedro!

    Precisava de uma ajuda sua para um processo de acidente de trabalho controverso.
    O meu companheiro teve um acidente de trabalho em setembro 2014, no qual partiu o perónio e a tíbia. Contactou-se o seguro e foi encaminhado para para consulta, de seguida operação, e tratamentos de fisioterapia e transporte para as deslocações. Até aqui tudo corre bem… Seis meses depois ainda em tratamentos de fisioterapia e com baixa temporária passado pelo médico, o seguro corta tudo e desresponsabiliza-se de qualquer tratamento, consulta, de tudo, pois alega que na data que o acidente ocorre não tinha seguro! A entidade patronal diz que tinha, houve apenas mudança de apólice. Pode a seguradora ao fim deste tempo cortar tudo? O que se pode fazer? Não chegou a receber as prestações indemnizatórias, nem ordenado e ainda não está bom.

    Obrigada pela atenção

    • Bom dia D. Cátia
      O caso que relata é, efectivamente, de lamentar. Contudo, para se precaver deverá solicitar à entidade patronal cópia da apólice aplicável para melhor esclarecimento. Aliás, é de seu interesse que o faça, pois caso se conclua que a seguradora não assumirá por inexistência da apólice, a entidade patronal é a responsável.
      Note que todas as empresas estão obrigadas a afixar, nos seus estabelecimentos, em local visível, as disposições legais relativas aos acidentes de trabalho, incluindo a mençãod e seguro.
      Os recibos de retribuição devem também indicar a empresa de seguros para a qual a responsabilidade do empregador se encontra transferida à data da sua emissão.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

  111. Boa noite
    Ei tive um acidente de trabalho e estou no seguro. As despesas de médicos já sei que não as vou pagar, agora tenho uma duvida, recebo o salario por inteiro ou leva alguns cortes?
    Obrigado e cumprimentos

    • Caro Mário

      Recebe consoante o seu grau de incapacidade: se estiver sem trabalhar recebe 70% do valor do seu vencimento total em bruto (100% se a empresa estiver ao abrigo de alguma convenção colectiva).
      Se estiver a 30%, receberá na respectiva proporção e a entidade patronal pagará o resto.

  112. Boa noite. Mais ao menos à ano e meio tive um acidente de trabalho e aleijei-me nas costas foi-me diagnosticada uma ernia,nunca deixei de trabalhar apenas fazia trabalhos leves. Em Agosto a empresa fechou estou desempregodo e agora começou a doer-me a coluna com mais intensidade visto que nunca ficou a 100%. posso reativar o seguro?

    • Caro Carlos Marques

      Hérnias estão excluídas do seguro de acidentes de trabalho. Mesmo que não estivesse, como é que se explica que pretende participar um sinistro um ano e meio depois da sua ocorrência?

  113. Bom dia Dr. Pedro,
    Estes são os dados:
    O meu marido, com 43 anos esteve hospitalizado em França e atualmente está cá em portugal, devido a acidente de trabalho/viação entre 2 veículos pesados.
    Está a ser tratado no Hospital da seguradora. No local do acidente A8 (França) foram-lhe amputadas as 2 pernas, uma abaixo e outra acima do joelho, foram feitas transfusões e cirurgias e seguiu-se o internamento em Nice. Cá, fez cirurgia plástica, da qual está quase recuperado. Em termos de autonomia, toma banho no wc do quarto transportado por uma cadeira própria para o efeito e com esta faz também as necessidades. Os médico pretendem dar-lhe alta daqui a 2 dias. Acontece que discordei com esta alta, visto que queriam que ele viesse para casa sem qualquer adaptação da mesma, realizando todas as necessidades na cama. O objetivo é o de continuar com a autonomia que tem no hospital.
    Dúvidas: ❓ Quais as obrigações da seguradora em termos de meios e se temos que ser nós a pressionar? Pelo que percebi, se não temos conhecimentos destas ferramentas e meios, o seguro não informa nem fornece. Apenas requisitaram uma cadeira de rodas muito pesada e imprópria para quem pretende conduzir um carro adaptado. ❗
    Grata pela atenção
    Melhores cumprimentos

    • Cara Isabel

      Conforme está escrito no artigo, tem direito:

      Prestações em espécie – incluem-se as despesas médicas, cirúrgicas, farmacêuticas e hospitalares e todas as necessárias de forma a que o trabalhador fique completamente recuperado

      Prestações em dinheiro:
      – indemnizações por incapacidade temporária para exercer a actividade profissional
      – pensões vitalícias devidas por incapacidade permanente originados pela redução na capacidade de trabalho ou ganho
      – subsídios para readaptação da habitação
      – prestações suplementares por assistência de terceira pessoa

      Exija por escrito à seguradora tudo o que tem direito.
      Se necessário, recorra ao tribunal de trabalho.

      • Bom dia Dr. Pedro,

        Mais uma vez, gostaria que me tirasse uma dúvida:
        Apesar de várias pesquisas, não consigo perceber a diferença entre IPP E IPA th.
        O atestado multiusos atribuiu 84% incapacidade e é DEFINITIVO. O meu marido ficará impedido de voltar a realizar o trabalho que fazia (motorista-pesados), embora depois de fazer psicótécnicos, voltasse a obter a categoria B, com restrições (carros adaptados). Será que lhe atribuirão IPP ou IPA th? Por enquanto, está com ITA e em reabilitação.
        Agradeço a atenção.
        Cumprimentos.

        • Isabel

          IPP – Incapacidade parcial permanente – é uma incapacidade permanente definido por uma percentagem. Neste caso 84%
          IPATH – Incapacidade permanente absoluta para o trabalho habitual

        • Exma Sr.ª Isabel Melo
          Os n/ cumprimentos

          O grau de incapacidade resultante de um acidente é sempre definido por um coeficiente expresso em percentagem sendo o grau de incapacidade expresso pela unidade (igual a 1) correspondente à incapacidade permanente absoluta para todo e qualquer trabalho.
          Este coeficiente de incapacidade é determinado em função da natureza e da gravidade da lesão, do estado geral do trabalhador/a sinistrado/a, da sua idade e profissão, bem como da maior ou menor capacidade residual para o exercício de outra profissão compatível, bem como todas as demais circunstâncias que possam interferir na sua capacidade de trabalho ou de ganho.
          IPP: incapacidade parcial permanente;
          IPA th: Incapacidade parcial absoluta para o trabalho habitual.
          O tipo de incapacidade definitiva apenas será calculada quando os tratamentos terminarem e não houver mais reabilitação a fazer.

          PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.

          Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
          Cumprimentos
          José Ribeiro Teixeira – advogado

  114. Boa noite. No dia 20 de julho de 2014 tive um acidente no serviço tendo me deslocado ao hospital que trabalha com a seguradora a dia 21. Estive 7 meses em casa com incapacidade absoluta, durante este tempo fiz varios exames e sessões de fisioterapia. Ao fim desse tempo fui a uma consulta de avaliação onde me deram alta e me disseram que não me conseguiam curar, deram-me uma incapacidade de 10% e mandaram-me trabalhar no dia seguinte. Disseram-me que se nao conseguisse devia dirigir-me ao medico de familia para ele me passar uma declaraçaõ a dizer que nao podia trabalhar e que se assim fosse o caso a seguir seguia para tribunal de trabalho. Gostava que me esclarecessem se é assim que isto funciona? caso va para tribunal de trabalho quem faz a participaçao e quanto tempo se tem para a fazer?

  115. Bom dia….
    Tenho um problema relacionado com as coberturas de acidentes de trabalho, meu pai teve um acidente viação no percurso trabalho casa no qual ficou gravemente ferido, no mesmo acidente desapareceram os óculos e o relógio. O seguro terá de reembolsar o valor dos mesmos?
    Fisicamente partiu o prato da tibia e estalou o esterno terá direito a alguma indemnização mesmo sem ficar com qualquer anomalia resultado do acidente?
    A empresa declara todo o salário ao seguro incluindo percentagem de turno subsidio de alimentação e premio tem direito a usufruir da mesma forma a todas essas remunerações?
    Gentilmente agradecia a sua ajuda… Obrigado, comprimentos!

    • Caro Pedro

      Danos corporais – funciona o seguro de acidentes de trabalho
      Danos materiais – seguro automovel se seu pai não foi responsável pelo acidente.
      A seguradora onde tem o seguro de acidentes de trabalho deverá suportar os tratamentos e pagar o vencimento e restantes remunerações de carácter obrigatório enquanto durar a incapacidade

  116. No decorrer de um programa ocupacional para desempregados, na empresa onde fui colocada tive um acidente de trabalho que foi participado ao seguro.Acontece que entretanto o contrato de trabalho já terminou. A seguradora pode deixar de me assegurar tratamentos e pagamentos só porque já não tenho vínculo laboral com a empresa ? E se me passarem a dar incapacidade parcial e me disserem para ir trabalhar ? Obrigada

    • A Sofia teve um acidente de trabalho durante a vigência do contrato com a sua empresa e com seguro em vigor pelo que a seguradora terá que cumprir com todas as obrigações perante si.

  117. Boa Tarde,
    No passado dia 18 de Janeiro caí no trabalho, magoando-me num ombro…
    aguentei as dores e fiquei com a mão muito inchada… Na segunda feira 19 apresentei-me de igual modo ao trabalho para testar se alguém me levaria ao médico, como ninguém se “cortou” na minha hora de pausa (15h30-18h30) dirigi-me ao hospital, de autocarro, para ser tratada…
    quando lá cheguei, contei a verdade, fiz um rx, mas o medico só me tirou rx à parte da frente do ombro, o que apenas acusou uma contusão… vim medicada e trouxe uns papeis para dar ao patrão para ele mandar para o seguro, para o seguro pagar a conta do hospital…
    Mal saí do hospital, desloquei-me à entidade empregadora para perguntar qual era a minha sucursal para me dirigir lá para que me passassem a baixa, espanto o meu quando o meu patrão não sabe 😮
    Passados 2 dias liga-me e diz-me que me posso dirigir à clinica perto de minha casa que a seguradora tem contrato com a clinica… quando lá cheguei não havia participação da seguradora, não havia nada…depois lá se entenderam e fui atendida… o médico leu o relatório clinico e sobremedicou-me , sem imagens de rx… ( não era um medico da especialidade)
    2*consulta, ainda me doía bastante, marcou-me uma 3ª consulta para ortopedia,… fiz uma eco e um rx a 2/2… como sou muito curiosa perguntei ao medico da eco o que tinha, ele disse que ganhei líquido no ombro…
    o rx espantou-me, porque ao contrario do hospital fizeram-me rx de frente e costas, mas para minha tristeza o envelope estava fechado, mas umas letras pequenas chamaram a minha atenção rx ombro esquerdo 2 incidências…
    consulta de dia 4- Ainda dói? muitoooo… Mas os resultados dos exames estão normais, isso já deve vir de longa data , vai trabalhar com 30% de incapacidade…
    Faço o horário completo, serviço ainda mais pesado como forma de castigo por me ter magoado e ainda não sei o que tenho, dores sinto-as nem tenho posição para dormir…
    esta incapacidade de 30% está a meter-me confusão, … trabalho 100%, horário 120% … e o patrão só me quer dar 70% do ordenado , é possível?
    Hoje são 14 ainda não recebi o salário de janeiro, nem qualquer informação do seguro …por 19 dias de trabalho apenas me querem dar 160€, está correto ?
    previamente agradeço a disponibilidade, obrigada..

    • Bom dia D . Solanje L.
      O médico da seguradora avaliou a sua incapacidade temporária, ou seja, a que resulta da sua situação actual. Caso o médico considere que vai havendo melhorias, é normal que essa incapacidade temporária diminua. Durante este período de tratamentos, a sua entidade patronal passa-lhe um recibo de vencimento com a incapacidade diminuida, mas a seguradora é obrigada a pagar-lhe essa perda de ganho. E pelo que me refere, quer a sua entidade patronal está atrasada, como também a seguradora, pois que ambos já lhe deveriam ter pago o vencimento.
      Durante esta fase, tem direito a tratamentos até se encontrar numa situação de “alta Médica”, que geralmente ocorre quando a lesão desapareceu totalmente ou se apresenta como insusceptível de modificação com terapêutica adequada. Ou seja, não vai melhorar.
      Nesta fase, a seguradora terá de a avaliar por um medico assistente que emitirá um boletim em que descreverá as doenças ou lesões, bem como as perícias medico-legais realizadas. Nesta fase saberá exactamente o valor da sua incapacidade permanente (ou seja, incapacidade que permanecerá ao longo da sua vida activa, por se considerar que os tratamentos não resolveram as suas sequelas a 100%). Caso lhe venha a ser atribuida uma incapacidade permanente, a seguradora tem então obrigação de participar ao tribunal competente a sua situação no prazo de 8 dias a partir do momento em que tiver alta clínica. Ou seja, logo que acabarem os tratamentos possíveis e fique em situação clínica estável, será a própria seguradora a remeter o processo ao tribunal (podendo, claro está, ser resolvida a questão amigavelmente mesmo antes disso).
      O melhor procedimento será contactar um advogado com médicos protocolados (nós ou outros) que saibam efectuar essa avaliação com competência. É a partir dessa avaliação que a “indemnização” se começa a compor, com dados e factores objectivos. A indemnização a que tem direito será maior ou menor, consoante o grau de incapacidade que lhe seja determinado. Pode ainda ter direito a uma pensão por incapacidade permanente.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira, advogado

  118. boa noite ,tive acidente de trabalho em serviço (queda de moto) fiquei com imensa dor no pescoço traduz-se em ernia discal apos exame de tac ,medico seguro diz ser degenerativo e nao assume e normal
    tive acidente a cerca de 3 meses e so apos esse tempo fui contactado pela companhia para consulta e fazer exame .
    entidade patronal nao enviou declaração de acidente para o seguro no prazo legal por outro lado existiu omiçao auxilio na loja apos ter vomitado 3 x neguem deu assistência gostaria ajuda obrigado

    • Bom dia Sr. Carlos
      A incapacidade ser-lhe-á definida pelo relatório médico da seguradora. Esse relatório irá avaliar a sua situação clínica numa série de parâmetros objectivos, mas que se destinam a avaliar 2 coisas: primeiro, que tratamentos serão necessários empreender para lhe efectuar a melhor recuperação possível. Por outro lado, quais os danos que, não sendo possível reparar na íntegra, irão condicionar, e em que medida, a sua vida futura, seja pessoal ou profissional.
      Terá direito a tratamentos até se encontrar numa situação de “alta Médica”, que geralmente ocorre quando a lesão desapareceu totalmente ou se apresenta como insusceptível de modificação com terapêutica adequada.
      Após estas avaliações, a seguradora terá de lhe apresentar uma “proposta razoável”, seja já definitiva (caso tenha ocorrido já alta clínica), ou provisória (se não tiver alta clínica). Tem 15 dias para responder a isto.
      Conselho: quando tiver o relatório em mãos, não entre em negociações aleatórias: consulte um médico ou um advogado (nós ou outros) que tenha um médico protocolado. Só assim poderá defender efectivamente os valores a que tem direito.
      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.
      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt
      Cumprimentos
      José Ribeiro Teixeira – advogado

      • bom dia sr jose ribeiro Teixeira

        relatório medico por parte seguradora

        alta sem numca ter tido baixa deste acidente de trabalho em serviço a 19 nov de 2014

        companhia de seguros recebeu partecipaçao de acidente de trabalho por parte de entidade patronal a 5 dez 2014 de acidente ocorrido a dia 19 nov 2014

        dia 20 estive hospital e dia 21 tive de me deslocar ao mesmo devido a dores

        apos informar gerentes de loja onde trabalho das dores persistentes na altura dia 21 novembro 2014 e dias seguintes com testemunhas nada se importaram em me dar apoio nem me encaminhar para seguradora

        fui obrigado a ir ao medico de família onde ainda estou de baixa por doença direta com apuramento responsabilidades de 3

        recebi carta seg social para saberem como se encontrava processo pois não tinham numero de processo de acidente e tem itere-se em receber a ajuda que me dao de 116 eur mensais ate hoje por me encontrar ainda de baixa por este acidente de trabalho em serviço a 19 nov 2014

        informei que como nao tinha ainda sido participado ao seguro de acidentes de trabalho na altura e nao tinha colocado numero de processo no formulário da seg social a dar informação que tambem pretendiam

        apos 1 consulta mandada fazer por companhia de seguros nao me foi dada alta ou baixa deste acidente mesmo eu me queixando de dores no pescoço cabeça perna e mao o medico simplesmente disse que isto nao era nada e estava tudo bem ,nao fiquei satisfeito porque eu tinha dores e nao foram descritas as minhas queixas

        ja estava a ser seguido pelo medico de familia de baixa por doença Directa …..

        escrevi livro de reclamações do hospital cuf

        a companhia mandou fazer nova consulta na cuf e ai o medico mandou-me para medico neurocirurgião , onde fiz exame que acusou hernia discal cervical etc ,este mesmo deu-me carta com relatório me mandando entregar no medico de familia e que la fosse tratado

        fiz participaçao tribunal de trabalho e ja fui a consiliaçao que foi frustrada pois assumem acidente de tranbalho em serviço mas nao assumem caracterização ,dando-me como curado sem desvalorização aguardo junta medica por tribunal de trabalho

        o acidente foi queda de moto em trabalho em serviço numa curva logo de seguida existe uma passadeira que uma pessoa vulto que iria passar pela mesma ,a mota nao travou devido nao estar nas condições devidas alterando trajectoria escorregou ,embati com cabeça no lancil ficando debaixo da mesma e esta bateu-me tanbem com a caixa traseira de transporte nas costas e parte de traz do pescoço ,ali fiquei por um tempo meio tonto e com principio de vômitos depois dores de cabeça etc

        um colega presenciou o ocorrido inclusive um carro ia me embatendo por traz mas neguem deu apoio a nao ser o meu colega de trabalho que acabou por me acompanhar ate a loja dando informação do ocorrido ……

        encontro-me medicado mesmo assim mantenho dores mau estar etc

        pergunto se isto e normal uma companhia de seguros ignorar as minhas queixas assim como o medico nao dar importância e nao mandar fazer exames complementares para ter a certeza do que afirma

        acabei por provar por ressonância magnética que o medico estaria errado ,mesmo assim mantiveram poziçao alta corado sem desvalorização , acabando o tribunal de trab em acidente anterior por decidir dar desvalorização

        dei informação a cuf após resposta deles a concordar com o medico e ate hoje negligenciaram-me nem me responderam apos envio de copia de ressonância magnética por mail a informar que o medico nao estaria serto na sua ideia a meu respeito clinico assim como a cuf dando findo ao processo ,dei prova que estao errados nao respondem ,como poderei fazer com que respondam pelo erro feito a meu respeito e me estando ingnorar por completo

        gerentes responsáveis por uma empresa muito exigentes , e abusando do poder que tem em mãos nao se exportam com seus subordinados fazendo exigências abusivas mesmo apos acidentes de trabalho a quem deve ser reportada as responsabilidades

        os acidentes acontecem na maioria das x por pressão psicológica

        incentivos falados de forma verbal ,cortes constantes como lhes apetece por os mesmos nao serem obrigados a dar etc

        motas nao estando em condições que obrigam a andar com estas causando perigo para subordinados e outros

        gerentes tendo conhecimento do estado das mesmas ,que por x nao escrevem na folha de reparação de para que as mesmas andem , os subordinados tenham que andar com elas forçosamente devido existir muitas entregas a serem feitas

        como se pode fazer parar com estes abusos visto existir queixa feita no act tanbem e se manter tudo identico

        muitos acabam por ser convidados a assinar a cartinha e a desvincularem-se da empresa

        vários após mas experiências simplesmente se despedem pelos abusos ocorridos por gerentes apos acidentes agressões serem obrigados a ir ao local fazer novamente entregas etc

        muito obrigado pela atenção

        pretendo simplesmente ficar bom e poder fazer uma vida normal peço ajuda para que me possa encaminhar da melhor forma possível para que possa ter uma vida normal

        dois acidentes de trabalho em serviço nesta empresa com desvalorização atribuída por tribunal de trabalho aguardo junta medica deste ultimo acidente

        tento manter a calma pois tudo isto esta complicar minha vida pessoal

        🙁

  119. Boa tarde
    Gostaria de esclarecer uma questão, relativamente às Folhas de Férias.
    È obrigatório que a Empresa faça constar nas Folhas de Férias o valor referente às Horas Extraordinárias?
    Cumprimentos

  120. Boa tarde desde ja agradeço a sua resposta 25 11 2014. Recordo queTive um acidente de viaçao ha cerca de 3 meses…com um pesado na ida para o trabalho. E a empresa ainda nao tinha acionado a apolice. Para piorar a Companhia do terceiro so assume 50% da responsabilidade o que me faz assumir os tratamentos situaçao q declinei e accionei a assistencia juridica da minha Companhia. A questao q hoje coloco aqui deve se ao facto da empresa nao m estar a pagar qq assistencia medica e apenas suportar o vencimento. Acordo este verbal para q nao fizesse queixa da mesma
    Sei que fui por si avisada de que esta situaçao poderia correr mal, mas nunca pensei ou senti que ao proteger a empresa a mesma me desconsiderasse ou faltasse ao acordo!!! Por favor informe-me sibre os passos q devo dar no caso de nem sequer me pagarem o vencimento
    O problema e que neste momento continuo incapacitada para trabalhar este ja esta a ser pago tarde e a mas horas. O que posso fazer e qto tempo legal possuo para recorrer jto da Companhia de Seguros Trabalho? Existe alguma forma de me salvaguardar junto das Autoridades Competentes sem que a empresa seja ja punida?

  121. Bom dia,

    Gostaria de esclarecer uma dúvida que tem a ver com o seguinte.

    Eu tive um acidente rodoviário no trajecto emprego – casa, pelo que a responsabilidade do sinistro foi minha. No entanto, foi activado o seguro de acidentes de trabalho para efeitos de pequenas lesões corporais que tive. No acidente alguns bens pessoais que levava comigo como portátil, óculos graduados,… ficaram danificados, comprovados pela autoridade presente no local e conforme auto da Polícia. Gostaria de saber se tenho direito a indemnização por parte do seguro de trabalho relativamente a esses danos materiais que tive no acidente automóvel ?

    Com os melhores cumprimentos,

    • Caro Bruno

      Se a responsabilidade do acidente automovel foi sua, nenhum seguro (automovel e acidentes de trabalho) irá assumir os prejuizos dos bens que referiu. Quanto muito, poderá assumir oculos se tiver ferimentos na face. Mesmo esse dano terá que ser submetido para análise na seguradora.

  122. Bom dia!
    Peço que me possa esclarecer quanto a uma situação de acidente de trabalho ocorrido á já algum tempo :
    o meu irmão teve um acidente e a apólice dele é da metalurgia e metalomecânica a entidade empregadora fez a apólice com 100% do vencimento, a seguradora disse-lhe que está a pagar a 100% a nossa duvida é sobre o calculo do valor que ele vai receber se é 100% sobre o liquido ou sobre o ilíquido já que a lei diz que não pode haver descontos sobre a retribuição ele ganha 1450euros ilíquidos e 96.80 de subsidio de refeição nada mais.Quanto será que vai receber diariamente de ITA.

  123. Bom dia.
    Já estou reformado por idade, mas continuo a trabalhar por conta própria em profissão que não oferece risco. não tenho empregados aos meu serviço.
    Não paguei o seguro de acidentes de trabalho para o ano 2015 (tinha pagamento anual), por não estar já interessado em manter o seguro naquela seguradora, mas não fiz pré aviso com antecedência de 30 dias, por entender que o não pagamento gera cancelamento automático do seguro.
    A seguradora, continua a exigir o pagamento e a ameaçar-me com tribunal. Está correto este procedimento? Fiz mal em não ter dado o pré aviso de rescisão de 30 dias, ou bastou não ter pago para que o mesmo não se renove e fique cancelado? Obrigada.

    • Caro José

      Não faz sentido essa actuação da seguradora visto que, na situação que expôs, o seguro não sendo pago caduca automaticamente.

      • Obrigada Sr. Pedro Monteiro, também era esse o meu entendimento. Tem alguma base legal que me possa indicar para estar prevenido para futuras tentativas de cobrança do pagamento do seguro? Grato pela atenção.

        • Decreto Lei 72/2008

          Artigo 60.º
          Falta de pagamento
          1. A falta de pagamento do prémio inicial, ou da primeira fracção deste, na data do
          vencimento, determina a resolução automática do contrato a partir da data da sua celebração.
          2. A falta de pagamento do prémio de anuidades subsequentes, ou da primeira fracção
          deste, na data do vencimento, impede a prorrogação do contrato.
          3. A falta de pagamento determina a resolução automática do contrato na data do
          vencimento de:
          a) Uma fracção do prémio no decurso de uma anuidade;
          b) Um prémio de acerto ou parte de um prémio de montante variável;
          c) Um prémio adicional resultante de uma modificação do contrato fundada num
          agravamento superveniente do risco.
          4. O não pagamento, até à data do vencimento, de um prémio adicional resultante de uma
          modificação ao contrato determina a ineficácia da modificação, subsistindo o contrato com o
          âmbito e nas condições que vigoravam antes da pretendida modificação.

  124. Boa noite,

    Estive de baixa do seguro, durante 2 meses na empresa onde trabalho no ano que terminou.
    Quando me pagaram o subsidio de natal, foram-me descontados os equivalentes a esses 2 meses.
    isto está correto ou tenho direito ao subsidio por completo?

  125. Trabalho na construção civil, em 28 de Novembro levei com uma peça de ferro no braço direito, mais propriamente no punho. Pedi ao patrão para me levar ao medico uma vez que estou em França. Ele rejeitou e tive que tirar uma viagem a minha custa onde vim a Portugal e acabei por me entender com o patrão e ele me meter pelo seguro.
    Na data tinha a mão negra, mas agora para os exames de seguro só me detectam “síndrome do canal carpico”.

    Múltiplos factores podem contribuir para o desenvolvimento desta patologia:

    -Hereditariedade é considerado o factor mais importante. Parece haver uma associação entre a dimensão do canal cárpico e factores hereditários
    -O uso de mão prolongado da mão em actividades repetitivas
    -Alterações hormonais relacionadas com a gravidez
    -Idade: a doença ocorre mais frequentemente em pessoas idosas
    -Algumas doenças como diabetes, artrite reumatóide, e patologia tiroidea

    O que é certo é que a única que se adequa a mim é “O uso de mão prolongado da mão em actividades repetitivas”, que é devido ao trabalho.

    Minha pergunta é, a seguro de trabalho abrange este tipo de problemas ou não?

    Em tom de adiantamento, agradeço desde já.
    Cumprimentos, Marco Sousa.

  126. Boa tarde,
    Há cerca de um mês dei uma queda no trabalho e magoei-me num joelho. Pus gelo e tomei anti inflamatórios, mas a verdade é q passado um mês ainda tenho muitas dores no joelho. Vou marcar uma consulta para ver o que se passa. Ainda posso activar o seguro de acidentes no trabalho? Obrigada!

  127. Boa noite.

    Há algumas semanas estive de baixa pelo seguro cerca de 1 mês (de dia 5 de Novembro até dia 1 do presente mês).

    Quando me apresentei ao trabalho dirigi me ao escritório para saber sobre o meu vencimento.

    Disseram me apenas que era a seguradora que me ia pagar e nao me souberam dar mais nenhuma informação alegando que nunca tiveram nenhuma situação dessas.

    Até á data nao recebi nada por parte da seguradora e já estamos a meio do mês.

    Gostaria de saber se é normal esta demora e o que devo fazer.

    Cumprimentos

  128. Bom Dia
    No dia 12 de Maio de 2014, o meu filho, teve um acidente que bateu com a boca no muro da Creche, de imediato foi assistido pelo um dentista Dr.Diogo Ressurreição, o relatório Medico recomenda um controlo de 6 em 6 meses. entretanto disse na creche que entra-se em contacto com a seguradora, (LUSITÂNIA) que disse que não tinha responsabilidade pela situação.
    Venho pedir para avaliar a situação.
    Com os melhores cumprimentos,
    Antonio Melo

  129. Boa tarde.
    Individuo que tem seguro de AT e Segue na viatura da empresa a caminho do trabalho. Viatura avaria e é colocada em cima de um Pronto-Socorro. Individuo sobe ao Pronto-Socorro para retirar documentos da viatura, escorrega e cai de cima do Pronto-Socorro para o chão.
    Continua a ter enquadramento na apólice de AT, ou como o acidente não foi no exercício da função esta excluído? Cumprimentos.

  130. Boa Noite,

    Atualmente tenho dois trabalhos full-time, entretanto sofri um acidente de trabalho num deles e a entidade não tinha seguro ac.trabalho fazendo o mesmo dois depois do acidente e declarado o acidente nesse mesmo dia.O que levantou na seguradora desconfianças e deu inicio averiguações deparando com muitas contradições o que me obrigou a contar a verdade sobre datas, pois desconhecia que não existia seguro ativo. Agora não sei o que me poderá acontecer pois já estou a ser assistida pela seguradora desde o dia do acidente, mas ainda não recebi nada.

    Consegue-me aconselhar?

    Cumprimentos.

  131. Patrícia Oliveira

    Bom dia,tive um acidente de viação a caminho do trabalho, como devo proceder neste caso ? Devo participar directamente à seguradora ou a empresa empregadora é que deverá fazê- lo ?

    • Patricia

      Ficou ferida? Em caso afirmativo, o seguro de acidentes de trabalho tem preferencia pelo seguro de ocupantes automovel.
      Se foi só “chapa”, o proprietario/tomador do seguro da viatura deverá acionar o seguro automovel.

  132. Boa noite,
    Gostaria que me informasse no seguinte:
    Sofri um acidente de viaçao no dia 20 no percurso para o trabalho e tive de ser socorrida pois foi com um pesado. No entanto e como trabalho em part time a empresa ainda nao tinha feito o meu seguro. Contudo inscreveu me na apolice no proprio dia. Mas pediu me para nao dar os dados deles… e verdade q nao estou a trabalhar e q os mesmos se demonstram preocupados comigo. O pior e q tenho contraturas na coluna e assistencia medica diz a minha seguradora automovel q so pode ser dada depois das peritagens aos veiculos e da assunçao de responsabilidade ser apurada. Por isso pergunto pode a empresa acionar o seguro com data posterior, visto q so fez o mesmo no dia 20 ? Sei q provavelmente incorrerao numa coima, o q se podera fazer pois tenho receio de pressionar e perder o trabalho . Por favor ajude

    • Cara Cristina

      A empresa vai incorrer numa coima se a Cristina já trabalhava antes do dia 20. Alterar a data do sinistro também não vai resultar porque a participação do sinistro automovel tem data de 20.
      O melhor é a empresa assumir as custas medicas ou as consequências vão ser ainda mais gravosas para a empresa.
      Isto não vai acabar bem…

  133. Boa noite Dr. Pedro
    Tenho um grave problema que é o seguinte, eu trabalho numa entidade Hospitalar, mas paga por outra empresa empregadora a quem o Hospital recorre á mão de obra.
    No inicio deste mês de Novembro dei um mau jeito á coluna que me impossibilitou de continuar a trabalhar, foi assistida no mesmo Hospital e posteriormente dei conhecimento ao meu empregador que se recusou a participar a ocorrência á seguradora dizendo que era melhor recorrer á baixa médica pela segurança social, eu assim fiz participei a baixa á respetiva S.S.
    Hoje recebi uma carta dizendo que não assume a baixa pois trata-se de um acidente de trabalho, como posso resolver este dilema pois não sei como sair desta embrulhada não tenho como suportar as despesas só ganho o salário mínimo e mesmo este querem que eu fique sem ele.
    Obrigado desde já pela atenção dispensada á minha causa.
    Atenciosamente
    Manuel Moes

  134. Bom dia.
    Pretendia apenas um esclarecimento.
    1 trabalhador cai de andaime a 7m de altura.
    Não tinha qualquer EPI.
    A seguradora cobre as despesas ou devido a falta de EPI é uma exclusão e não tem enquadramento na apólice?
    Obrigado

  135. No meu trabalho escorreguei e parti os meus óculos, felizmente não tive qualquer lesão pessoal, gostaria de saber se o seguro de trabalho é obrigado a reembolsar-me da despesa que tive na compra de outros óculos.
    obrigado.

  136. Boa tarde.

    Sofri um acidente de trabalho, dei um jeito nas costas. Encontro-me com incapacidade absoluta para trabalhar. Vou ter consulta com o médico do seguro mto em breve. Ainda não me sinto bem recuperada, pq tenho mtas dores e algumas limitacoes.
    A minha pergunta é: quem paga a baixa, o seguro? Qto é q me será pago? 70% ou 100%?

    Obrigada pela disponibilidade

  137. Boa tarde
    Dr. Pedro Monteiro
    Gostaria de saber sobre uma questão que é a seguinte: tive um acidente de trabalho em 2013 em que a companhia de seguros me tem pago a 70% sobre o ordenado minimo,eu pedia que me esclarecesse uma duvida, o ordenado mínimo subiu partir de outubro, gostava de saber se tinha direito ao aumento.
    Obrigada.

  138. boa tarde. foi me diagnosticado uma entorce no ombro por um esforço de acidente de trabalho, mas achei tudo estranho porque ate hoje so me foi feito um rx. ja la vao duas semanas e hoje a minha conta decicdi ir fazer uma ecografia e foi me diagnosticado uma tendinite no ombro. Gostava de saber se o seguro cobra algumas tendinites?

  139. Bom dia,

    Agradecia o seguinte esclarecimento pf:
    Tive um acidente de trabalho (ramo industrial) e na participação do acidente o mediador só colocou o meu salário base bruto, não colocou subsidio de refeição nem os duodécimos de sub.Férias. Questionei e disse que é normal ser assim, que a companhia paga pela folha de férias e não pelo valor da participação…

    Recebi o 1ºpagamento da companhia, e como achei pouco dinheiro liguei, disseram que só estavam a pagar 70% do salário base, e que o subsidio de alimentação como não estou a trabalhar não o recebo.

    Podem esclarecer-me pf qual a percentagem que tenho direito a receber e se tenho ou não direito a receber o subsidio de alimentação?

    Porque se for desta forma o trabalhador sai bastante prejudicado, pois um trabalhardor que receba de salário base 1000€+sub.alimentação 150€= 1150€

    Só tem direito a receber os 700€??

    Existe alguma forma de receber o restante, a entidade patronal tem de assumir algum valor, esclareçam-me pf.

    Obrigado,
    José

    • Caro José

      Tem direito a receber o valor do subsidio de alimentação, desde que o mesmo conste na Folha de férias enviada mensalmente à seguradora
      Quanto aos duodécimos de subsidio natal e férias, tem direito desde que a baixa seja igual ou superior a 30 dias.
      E os 70% do salário base pagos estão correctos.

  140. Exmo Dr.Pedro,

    Sofri um acidente de trabalho ontem de manhã, a entidade empregadora ainda não participou a ocorrência a seguradora, mas as minhas duvidas são as seguintes.
    Atualmente trabalho em duas entidades empregadores e faço os devidos descontos para ambas, visto ter sofrido o acidente numa delas como este acontecimento ira interferir nos direitos da outra entidade. Como deverei e quais os meus direitos nesta situação. Sabe-me aconselhar?
    Obrigada pela sua atenção.

    • Boa tarde Srª Marta Silvestre,

      O facto de estar em simultâneo a trabalhar para dois empregadores, não invalida que o empregador em que estava a exercer funções à data do acidente, accione o seguro, transferindo a sua responsabilidade, como é seu dever.
      Nos termos legais, o empregador dispõe de 24h a contar do conhecimento do facto para participar à seguradora a ocorrência do acidente, sob pena de responder por perdas e danos.
      Estando a Srª Marta a ser tratada devido ao acidente de trabalho, estas faltas serão justificadas mediante a exibição do competente atestado médico a ambos os empregadores.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.

      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt

  141. Boa Tarde Dr. Pedro Monteiro
    No passado dia 16 de Setembro, ao colocar um objecto pesado na viatura da empresa, tive uma dor aguda no ombro esquerdo (17 horas), no dia seguinte desloquei-me a um hospital que tem acordo com o seguro.
    Resultou daí, uma baixa de 7 dias com medicação, findos esses 7 dias, renovaram a baixa por 1 mês com fisioterapia 15 sessões.
    Acabadas as 15 sessões, foi sugerido pelo médico de fisioterapia para efectuar mais 15, voltei ao médico do seguro que me passou mais 20 sessões.

    Desde dia 22 Outubro, que espero que as mesmas sejam marcadas, que os pagamentos sejam feitos.
    Durante a minha insistência para começar a fazer os tratamentos e receber os pagamentos, vim a saber verbalmente, que o seguro ia alegar que não se tratava de um acidente de trabalho.
    A minha questão é esta, está correto da parte do seguro proceder desta maneira (até ao momento não tenho nenhum comprovativo da posição do seguro).
    Como devo proceder?
    A seguradora é responsável pelo pagamento do vencimento até à data da decisão?
    Foi-me diagnosticado uma tendinite, sem nunca ter feito quais queres exames médicos?

    Cumprimentos ❓

    • Caro Carlos Costa

      A seguradora tem que se pronunciar por escrito, caso rejeite assumir a responsabilidade.
      Tendinite é doença e não acidente.
      Caso a seguradora decline por escrito, pode recorrer a outro parecer medico ou mesmo ao Instituto de Medicina Legal e enviar os resultados para a seguradora caso se prove que as lesões se deveram a acidente.

  142. Olá boa tarde tenho uma dúvida tive una recaída que para mim nunca melhorei mas assim eles chamam recaída e voltei ao seguro tenho fisioterapia,exames, a fazer.a pergunta e a fisioterapia tem de ser feita dentro ou fora do horário de trabalho ?obrigado

  143. boa noite SR PEDRO MONTEIRO
    gostava que me esclarece se de uma duvida,tive um acidente de trabalho aonde parti o nariz isto aconteceu no mês 4,depois de muitas peripécias de tratamentos fiquei com a cana do nariz torta,o avaliador diz que eu não tenho direito a endemizar deu me zero na avaliação se eu não concordasse para recorrer ao tribunal de trabalho ,o que aconselha a fazer.aguardo a sua resposta obrigado

    • Boa tarde

      Partimos do princípio que já foi examinado pelo médico (do sistema nacional de saúde e/ou pelo médico da seguradora), tendo-lhe sido entregue um relatório que não lhe atribuiu qualquer incapacidade.
      Independentemente da inexistência de uma incapacidade, o facto é que dano permanente que não foi reparado: o dano estético.
      Perante esta circunstancia, a melhor solução não será o recurso imediato à via judicial, pelo facto de se tornar moroso. Aconselhamos a que escreva uma carta à seguradora, referindo que pretende que o “dano estético” seja avaliado, e reparado (indemnizado). É um direito seu, e uma obrigação da seguradora.

      PS – nos termos protocolados, pode usufruir de uma reunião gratuita para mais esclarecimentos ou exibir documentos.

      Visite http://www.ribeiroteixeira.pt

    • boa noite sr pedro monteiro.hajo que derivado a tantas respostas que tem para dar ,talvez o meu assunto tenha passado para esquecimento,gostaria de obter uma opiniao sua em relaçao ao meu problema sem mais assunto um obrigado

  144. boa tarde,

    tive uma queda, quando ia a sair de casa para o trabalho no passado dia 16.
    Parti o rádio (pulso) e estou a ser seguida pelo hospital do seguro.
    Vou ser operada dia 1Outubro.
    Hoje mesmo esteve aqui um sr da companhia de seguros a fazer-me uma série de perguntas.
    É normal isto acontecer?
    tirou fotos ao sitio onde caí, perguntou-me até se pratico exercício físico e como pratico capoeira fez uma cara estranha..

    podem eles de alguma forma livrar-se de responsabilidades?

  145. Boa tarde.
    O meu marido trabalha numa empresa com mais de 6 trabalhadores, ou seja, seguro com folha mensal.
    Ele tem um ordenado base de 800€ + 200 de prémios e subsidio de almoço. A este valores acrescem as horas extraordinérias, que não são valores certos, diferem de mês para mês.
    Caso sofra acidente de trabalho quais os montantes pagos pela seguradora, sendo que está na categoria de Motorista.
    Obrigado.

  146. Bom dia.
    Gostaria de esclarecer uma questão se for possivel. O meu marido teve um acidente de trabalho e devido ao mesmo teve que ser submetido a uma cirurgia e neste momento encontra-se em I.T.A. Acontece que nós já tinhamos férias marcadas e pagas antes de ocorrer o acidente. O que fazemos agora? Podemos usufruir das férias? Ou vamos perder o valor das mesmas?
    Agradeço desde já a atenção disponibilizada.
    Cumprimentos

    • Olá Ana

      A lei prevê que, como está de baixa, as férias podem ser adiadas. Contacte a sua entidade patronal.
      Quanto a reembolso de despesas devido a férias, só se o seguro de viagem contemplar essa cobertura.

  147. Bom dia,
    Encontro-me de baixa por acidente de trabalho (operado ao joelho,menisco) e pertenço á industria metalúrgica, o ordenado não é completado pela empresa até perfazer a totalidade? só estou a receber parte do mesmo através do seguro.Obrigado

  148. Bom doa Sr. Pedro
    sofri um acidente de trabalho, fui encaminhado para uma clinica onde fui tratado e posteriormente seguido, onde efectuei exames (rx-rm e tac)fiz fisioterapia, ao fim de 3 meses e com dores fiz um tac e o médico disse que sofria de uma patologia que não tinha nada a ver com o at.
    A seguradora é ou não responsavel por o meu tratamento? A seguradora é obrigada a facultar cópia dos exames?
    Muito obrigado.

    • Se não tem nada a haver com acidente de trabalho, a seguradora não é responsável pelos danos.

      • Bom dia Sr. Pedro Monteiro
        Mas a seguradora é ou não obrigada a facultar-me cópia dos exames, relatorios e respectivas imagens da RM e TAC? Se a seguradora não assume o tratamento acho que me deve dar os exames para que possa ir tratar-me.
        Obrigado.

  149. Boa tarde. Tive um acidente de trabalho com incapacidade temporaria absoluta até à proxima consulta (parti um pé) A minha dúvida é a seguinte. A seguradora paga 70 ou 80 por cento do vencimento bruto ou liquido? E não faço descontos para segurança social? Vou sentir uma diferença salarial mt grande?

  150. Boa tarde, tenho um seguro de acidentes trabalho por conta propria, trabalho como enfermeiro, ha un dias ao posicionar um doente, fiquei com uma dor na parte lombosagrada e perna esqª, fiz participação a seguradora , tentaram argumentar que esta situação não esta incluida no seguro?, tem a ver com o desgaste?,
    eu trabalho em 2 lugares , faço natação ando de bicicleta,ja ha alguns anos que não tenho dores nas costas, muito menos deste grau. nesta altura estou incapacitado ja ha 10 dias o seguro esta a tentar adiar?, o que posso fazer?
    obrigado
    Paulo

    • Caro Paulo

      A seguradora tem que lhe dar uma resposta: assume ou não assume.
      Se não assumir, obtenha um parecer de um médico a comprovar que o seu problema resultou de lesão súbita e enquadrável em acidente de trabalho

  151. Boa noite
    preciso de uma grande ajuda o meu pai cortou o dedo numa maquina no servico esta ate dia 16 de junho com incapacidade temporaria absoluta por mes tem no recibo 1622 euros mas com o deacontos recebe 1293. Ele vai receber pelo menoa estes 18 dias a 100% pelo seguro ou recebe menos a duvida e se no fim do mes tem os seus 1293 na conta ou menos e a primeira vez que nos acontece.
    Agradecia muito a sua ajuda
    ja agora tem direito a alguma indemnização foi no dedo indicar esquerdo e ficou sem o dedo aparte da unha ja nao existe ficou so o toco poois foi cozida esta parte
    cpts
    paula

    • Boa noite Paula

      Se o seu Pai estiver ao abrigo de uma convenção colectiva poderá receber a 100%, caso contrário é 80% do vencimento bruto.
      Algum grau de invalidez permanente, será determinado pelo tribunal de trabalho.

      • Boa noite antes de mais muito obrigado pode me so esclarecer o que e uma convencao colectiva. A entidade empregadora paga a diferenca ou ele so recebe mesmo este valor do seguro. Pois tem aqui alguns comentarios que indicam que se recebe 70% pelo seguro e que quem trabalha por conta de outrem a entidade patronal paga os restantes 30%. Ou estou errada.
        mt obrigada
        paula

        • Se não estiver abrangida por convenção colectiva, a seguradora paga 70% do vencimento bruto no caso de incapacidade absoluta temporária.
          Se estiver abrangida numa convenção colectiva, poderá pagar até 100%

  152. Bom dia sr doutor,a 17 de fevereiro ao tentar puxar uma carga de cerca de 300kg,dei um esticao no braço,o que acontece e que nao tive rotura de ligamentos mas tive estiramento do mesmo,o que acontece e que me querem dar alta,mas eu cada vez de que faço força o seguro num bebe com cerca de 10kilos sinto dores…nao me querem operar e pararam de me fazer fisioterapia…o que fazer…obrigado

    • Boa tarde João

      Reclame à seguradora e se não tiver sucesso, recorra ao Tribunal de Trabalho.
      Se for da Zona do Porto, Maia, Matosinhos ou Gaia, posso recomendar um advogado.
      Envie mail privado para pedro.monteiro@accive.pt caso seja residente na zona norte para lhe enviar o contacto.

  153. boas,

    à cerca de 2 meses, ao levantar 1 peso fiquei com dores agudas no fundo das costas(fiz 1 ernia discal). Estou no seguro desde então, a fazer fisioterapia e como na tenho melhoras o médico vai sempre dando baixa. Recebo 500 euros mensais, só que desde que estou de baixa só recebo 400, este valor está correcto?? ou o seguro têm que pagar o restante??
    Atentamente
    Edgar Carmo

  154. Bom dia
    Se um trabalhador estiver ausente por motivo de baixa por doença, acidente de trabalho, maternidade, licença sem vencimento ou outro previsto na lei, a entidade empregadora tem que continuar a pagar o seguro referente a esse trabalhador? ou apenas o inclui na folha de férias com o vencimento zero? estou a falar de uma apólice variável. Aproveito também para peguntar se, na sua opinião, as ajudas de custo são considerados custos aleatóreos e se portanto não contam para o cálculo do prémio, pois conforme sabe, o seguro não incide sobre os custos aleatóreos.
    Obrigado

    • Caro António

      Na folha de férias o vencimento do colaborador aparecerá a zero, logo não paga seguro.
      Se as ajudas de custo tiverem um carácter regular e continuo e definidos no contrato de trabalho, devem ser consideradas no seguro.

  155. Boa Noite,
    Gostaria que me esclarecesse o seguinte:
    sofri acidente de trabalho em 07/01/2003. Posso requerer consulta de avaliação à Companhia por recidiva ou recaída ao abrigo do sinistro em causa?
    Obrigado

  156. Exmo Drº Pedro,
    A Minha questão é simples.
    Estando um empregado de baixa devido ao Acidente de Trabalho qual a % que a seguradora paga? (Onde posso consultar), e qual o artigo que diz que a entidade patronal deve repor o restante valor até completar o ordenado?

    Trabalhadores independentes como funciona?

    Obrigado

    • Boa tarde Filipe

      Se houver uma incapacidade temporária de por exemplo 15%, a seguradora paga 15% do ordenado bruto e o restante é a entidade patronal. Procure no Google legislação sobre esta matéria.

  157. Muito obrigada

  158. Bom dia. É possível dizer-me qual o fundamento legal que responsabiliza a entidade empregadora pelo pagamento do restante 30% (caso a seguradora pague 70%)da remuneração do trabalhador acidentado no trabalho?
    Obrigada.

  159. Bom dia Dr. Pedro Monteiro, quem me informou foram pessoas que realizaram operação ao menisco e as seguradores dessas pessoas deram-lhes desvalorização, eu fui a semana passada ao médico da seguradora para reavaliação e o mesmo disse que que a operação correu bem e nada tenho direito a nenhuma desvalorização, queixei-me porque nunca mais pude colocar o joelho no chão, porque tenho muitas dores, o ortopedista, fez-me ginástica ao joelho e disse que a dor que tenho não é no sitio do menisco mas outro problema que tenho no joelho. Que devo fazer? Obrigado

    • Boa tarde Fátima

      Se o problema que tem não é derivado de Acidentes de trabalho, a seguradora não tem que assumir a responsabilidade. Deverá tratar-se pelos seus próprios meios.
      Se achar que está ligada à operação que fez, consulte outro medico, peça um relatório e apresente o mesmo à seguradora acompanhada de uma carta a contestar.

  160. Fui operada em Janeiro de 2011 ao menisco no joelho direito, correu tudo bem e tive alta sem desvalorização, agora informaram-me que depois desta operação nunca podiam ter-me dado alta sem desvalorização. Será que é verdade e ainda posso pedir para me darem uma desvalorização com indemnização?

    • Boa tarde Fátima

      Não entendo a questão. Quem a informou? a seguradora? Se sim, então a seguradora deverá indicar o grau de desvalorização. Contacte a mesma para mais esclarecimentos

  161. Qual o montantes da multa que incorre a empresa por nao ter seguro de acidentes de trabalho.
    Aguardo com alguma urgencia.
    Grato

  162. boa tarde? tive um acidente de trabalho e fiquei de baixa 7 meses pelo seguro começei a trabalhar e agora passsado 2 meses estou de baixa pela segurança social e dizem q nao tenho direito a receber porque nao declarei nada durante 6 meses e mesmo assim?

  163. Boa tarde Dr., eu tive um acidente de trabalho e diriji-me ao hospital porque tinha muitas dores e no dia seguinte fui ao médico do seguro.
    O médico deu-me baixa de tres semanas.
    A minha pergunta é a seguinte’
    Quanto vou receber pelo seguro?
    Recebo 865.00 base + 140 de subsidio de refeiçao.
    Obrigada

  164. Boa tarde, fui operado em abril ao joelho esquerdo, ligamento. Fiz a recuparação e fisioterapia, entretanto fui trabalhar, passado 2 meses estava a sair de casa para ir trabalhar e escorreguei e pelo meu azar foi no mesmo joelho e rompi o ligamento outravez. A minha duvida é, se a seguradora assume o acidente de trabalho?

  165. margarida martins

    Boa tarde Dr. Pedro Monteiro,

    A minha pergunta é simples: o nome de um trabalhador que não consta na folha de salários, de um contrato de seguro de AT, na modalidade de prémio variável, não tem direiro a ser indemnizado pela companhia de seguros?
    Obrigada

  166. bom dia
    Dr. Pedro gostaria que me esclarecesse uma questão, na passada sexta feira saí do trabalho por volta das 14:05, estava um dia de chuva, ao chegar a casa abri o portão e ao começar de subir as escadas de minha casa escorreguei, caí. Nao cheguei a entrar em casa. tive que ir ao hospital onde descrevi a ocorrência e me deram os papéis para entregar no seguro. Quando o fiz na segunda feira seguinte foi me dito na empresa que n tenho direito ao seguro porque já tinha passado o portão para dentro. A lei é mesmo assim?

  167. Boa Tarde
    Gostava que me ajudasse acerca de um assunto que se está a passar comigo devido a um acidente de trabalho.
    Estou a trabalhar para uma empresa de trabalho temporário “X” que me cedeu à empresa “Y” desde Fevereiro no período normal de trabalho de 38 h semanais com folga ao fim de semana,mas o mesmo dono da empresa “X” tem uma empresa de prestação de serviços a “Z” com a qual também tenho contrato para prestar serviços na empresa “Y” fora do horário normal (horas extras e fins de semana)até ao máximo de 40 horas semanais.
    O que se passou foi que eu tive um acidente de trabalho a um sábado ao serviço da empresa “Z” e quando cheguei à clinica foi-me rejeitada assistência por esta ter o seguro anulado por falta de pagamento.
    Para ser assistido fizeram uma participação em nome da empresa “X” e então foi assistido.
    O que se passa agora é o seguinte estou a ser indemnizado com base no recibo da empresa “X” mas na “Z” o valor hora é o dobro, a minha questão é se o seguro tem que pagar apenas a média do que recebia se estivesse pela empresa “Z” ou a média do que receberia das 2 empresas já que estou sem poder trabalhar a 100% e embora tenha 2 contratos a empresa que estou cedido a “Y” é a mesma. ❓

    • Caro Diogo

      Resposta muito simples: estava ao serviço da empresa Z, teve um sinistro, o seguro estava anulado. Deveria comunicar o facto ao Tribunal de Trabalho e receber pelo Fundo de Acidentes de trabalho. O problema é que pode perder o emprego, certo?
      Como é uma participação fraudulenta bem sucedida, será indemnizado com base no que recebe na empresa X.

  168. Boa tarde. Há 2 meses e meio atrás sofri um acidente de viação (do qual não tive culpa) a caminho do emprego, sendo, por isso, considerado acidente de trabalho. Estou a ser acompanhada pelo médico do seguro e encontro-me de baixa médica, pelo menos até Setembro,pois nessa altura, possivelmente, terei de ser sujeita a uma cirurgia. Já que sou trabalhadora temporária e ia iniciar o trabalho naquele dia, as minhas dúvidas são sobre aquilo a que tenho direito a receber. Será que vou receber os tais 70% do ordenado? Como funcionam as coisas nestes casos especiais? É que nem as funcionárias da empresa de trabalho temporário me sabem responder as estas dúvidas.
    Obrigada

    • Boa noite Tânia

      Irá receber de acordo com a sua incapacidade que, pelo que descreve, é 100% ou seja, não está a trabalhar.
      Receberá o ordenado total pela seguradora mais o proporcional subsidio de férias e de natal.

  169. Boa tarde. Um familiar meu faleceu no local de trabalho subitamente. Gostaria de saber se tem direito ao seguro de trabalho, neste caso a alguma indemnização visto não ser acidente.

    • Boa tarde Rui Teixeira

      O seguro de acidentes de trabalho só cobre morte em caso de acidente. Se seguros de vida é que pagam um capital nas circunstâncias da morte de seu familiar.
      Cumprimentos
      Pedro Monteiro

  170. Boa tarde,
    Estou em mãos com uma situação perniciosa e necessitava da sua opinião.
    Dei uma queda, que me fraturou o pulso, nas escadas da minha casa durante o período de almoço. A minha mediadora encaminhou me para o hospital do seguro onde fui tratada, entre consultas, exames e fisioterapia, durante mais de 4 meses. Passados estes questionei a mediadora da falta de pagamento da baixa do seguro esta contactou a seguradora que em resposta enviou uma carta a isentar se de qualquer responsabilidade pelo sinistro “por ter ocorrido no âmbito da vida privada”.
    Pelo que li acima, realmente assim o é.
    Mas quando a casa é a sede da empresa? Nao deixa de ser “domínios” da empresa, certo???
    Pode a seguradora refutar se de responsabilidade nessa situação?!?
    Ja fiz uma reclamação mas passados 1 mês ainda nao obtive resposta…
    O facto é que tive que interromper os tratamentos de fisioterapia, e perdi direito á baixa da segurança social…. 😕

    • Boa tarde Sabrina

      De facto é complicado.
      A não ser que consiga provar que foi a casa almoçar e depois voltou ao trabalho, não terá direito a qualquer indemnização.
      Envie uma carta à seguradora a expor a situação e junte declarações de seu chefe e colegas de trabalho de que foi a casa apenas para almoçar. Junte documentos comprovativos, como registo de entrada e saída da empresa ou declaração desta a comprovar a sua actividade no dia do acidente.

  171. Boas…
    encontro-me de baixa em casa, com uma lesão diagnosticada como sendo uma ruptura de ligamentos.
    ao sair da minha casa encontra-se um degrau, que ao passar por ele perdia força do joelho aleijado originando uma entor-se do tornezelo do joelho oposto.
    a minha pergunta é:
    o segur têm ou não responsabilidade sobre esta nova lesão adquirida ao sair da minha casas, uma vez que me encontro de baixa?

  172. Boas…
    Aproveitando o momento… Tenho uma tia que tem algum terreno e que durante os fins-de-semana alguns membros da família vão a ajudá-la. Ela pretende assegurar estas pessoas que tipo de seguro poderá ser feito? No meu entender seria Seguro de acidentes pessoais, mas depois fico na duvida se será profissional ou extra-profissional. Penso que seguros de AT não deverá ser tendo em conta que não é remunerado..?! Será que me podfia ajudar a esclarecer o que é mais adequado?

    • Andreia

      O ideal será seguro de Acidentes Pessoais. A cobertura mais importante é as despesas de tratamento. Defina o capital anual a segurar (1000, 2500, 5000, …) e peça cotação.
      Pode pedir-me indicando o nome de cada pesoa a segurar, data de nascimento, profissão e o capital de despesas de tratamento para o mail pedro.monteiro@accive.pt

  173. Boas!
    Estou com uma dúvida relativamente ao seguro de acidentes de trabalho. o meu irmão abriu actividade tendo em conta o ordenado mínimo, entretanto no primeiro mês passou recibos verdes no montante de 700€, desconhece-se quanto irá passar no mês seguinte. Qual o valor a declarar no seguro de AT? No primeiro ano de actividade está isento de Taxa de IRS e SEgurança Social, por isso pressuponho que ao emitir os recibos as finanças têm acesso a esse valor. Mas relativamente ao seguro de AT terá que optar por um seguro de prémio variável? Se sim, como se procede a burocacria?

    • Boa tarde Andreia

      Pode fazer o seguro de Acidentes de Trabalho pelo ordenado mínimo nacional – 485 euros. O ideal seria estimar uma média mensal e fazer por esse valor.
      Se desejar uma proposta, preciso de saber: nome, profissão, data de nascimento, ordenado mensal a segurar. Envie mail para pedro.monteiro@accive.pt

  174. Boas

    Estou de baixa por acidente de trabalho á cerca de 3 meses e creio que não me está a ser paga a minha i.t.a. diária da maneira mais correcta.

    Tenho noção que o valor é de 70% do valor bruto anual do salário, mas eu apenas trabalhei nesta empresa 119 dias.

    A minha duvida é se neste caso o cálculo é sobre estes 119 dias ou será sempre sobre os 365 dias?

    Peço desculpa se a minha questão não foi colocada no sitio mais apropriado.

    Cumprimentos

  175. Boa tarde doutor pedro,venho por este E-mail pedir que me tire algumas duvidas.Tive açidente de trabalho,que me encontrava com muitas dores nas costas e no braço direito. Aonde fui acompanhada pelo seguro, fizeram-me um táce á cervical e lombar aonde tenho algumas hérnias discais.fiz algum tempo fisioterapia mas nada melhorou. O médico do seguro dizia que as dores vinham duma entorçe,inflamação na cartilhagem cervical, e nada mais tive 2 meses e meio sempre na fisioterapia com incapaçidade 100% no ultimo mes foi me dado só 10% tive 18 dias assim depois deu-me alta.Nunca me fizeram exame nenhum ao braço,passado 3 meses não me sentia nada bem só tinha dores voltei a contactar o seguro como 2 opinião foi-me conçedido uma nova consulta aonde ando a ser acompanhada novamente,relativo as minhas queixas fiz uma ressonançia ao ombro direito aonde tenho tendinite,e incipiente bursite subacrómio-subdeltoideia,estão só a pagar-me a fisioterapia, os transportes, nada mais está certo, ou tenho mais alguns direitos? gostava que o doutor pedro me tirá-se estas minhas duvidas atençiosamente.

    • Boa noite Clarisse

      Se ainda estiver com algum grau de incapacidade (10% por exemplo) a seguradora pagar-lhe-á a correspondente parte do ordenado enquanto estiver com essa incapacidade.

  176. Esqueceu-me de uma coisa, por norma o seguro de acidentes só paga 70% do ordenado que declarou!
    Por isso se declarar 500€ no seguro apenas recebe 70% do mesmo. Logo aí tem que se precaver. No trabalhador por conta de outrem é diferente, o restante (30%) paga a entidade empregadora.

  177. Elisabete,

    O valor do seguro pode ser superior ao do salário declarado na S.Social, pelo menos nos gerentes de empresas.
    Eu também sou gerente e declaro o dobro (c.seguros) que declaro na s.social, também temos que contar com o IRC, o vencimento é variável (ex: este ano ganha 500€ mês o próximo ano pode ganhar 900€) e pode ser superior ao declarado na s.social, porque é que se paga IRC? Porque o valor (lucro) superou o ordenado e as despesas todas, e o que sobrar vai pagar uma %. Tem que se apurar uma média do que se ganha por mês (as vezes é difícil)! Atenção não sou entendido na matéria, mas se há alguém que me possa corrigir também agradecia, porque a minha intenção é apenas de ajudar!

  178. Boa tarde,

    Vou colocar uma dúvida: se eu tiver um salário de 500€ declarado S.Social, posso ter no seguro de acidentes trabalho um valor superior e receber esse valor caso acidente ou tem que ser mesmo. Sou gerente da empresa.

  179. Também, nas exclusões nº2- de Acidentes devidos a distúrbios laborais – greves, tumultos, por exemplo.(correto)

    Agora, assaltos é exclusão ❓ ❗ Só se for entre colegas de trabalho!